13 anos do 7 a 1 contra o Santos: Por onde andam os jogadores do Corinthians

Nesta terça-feira (6) completam-se 13 anos da incrível goleada do Corinthians sobre o Santos (7 a 1), no Pacaembu, em jogo válido pelo Brasileirão de 2005. O resultado espetacular impulsionou o Timão rumo ao tetracampeonato brasileiro semanas mais tarde.

Rafael Alaby
Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)

Crédito: Foto: Divulgação/Corinthians

Com apenas um minuto de jogo, o Corinthians saiu à frente do placar, com o meia Rosinei, sofreu o empate pouco tempo depois, mas conseguiu fazer mais seis gols (três de Tevez, dois de Nilmar e um de Marcelo Mattos) e assim obter a segunda maior goleada sobre o rival. Em 1920, o Timão fez 11 a 0 em plena Vila Belmiro.

Por onde andam os 14 jogadores corintianos que ajudaram a equipe fazer 7 a 1?

Promoção: Clique aqui do seu celular ou ligue 04949984011250 para concorrer a R$ 2000 e a um encontro com um ídolo do esporte. Sorteio pela Loteria Federal
Valor da ligação: R$ 3,99 + impostos. Saiba mais http://www.promotorcedores.com.br

Fábio Costa – Titular na campanha vencedora de 2005, o goleiro se aposentou em dezembro de 2013 após passagem pelo São Caetano.

Eduardo – Revelado pelo Terrão do Parque São Jorge, na época, o lateral-direito tinha apenas 18 anos de idade e se aposentou precocemente aos 26 anos e hoje gere um posto de gasolina e duas casas lotéricas no Rio de Janeiro.

Wendel – Outra cria das categorias de base que esteve em campo no clássico. O zagueiro, hoje com 34 anos, defende o Barra da Tijuca, da segunda divisão do Campeonato Carioca.

Marinho – O zagueiro defendeu o Timão entre 2005 e 2007 e pendurou as chuteiras em 2009 após passagem pela Ponte Preta.

Marcelo Mattos – Em seu primeiro ano de Corinthians, o volante marcou gol no histórico 7 a 1. Sua primeira passagem durou até 2007. Dois anos depois voltou ao Parque São Jorge por empréstimo, mas não conseguiu vingar. Atualmente faz parte do elenco do Vasco, porém, completou em setembro dois anos sem atuar devido à série de lesões no joelho.

Bruno Octávio – Primo de segundo grau de Ronaldo Giovanelli, um dos maiores goleiros da história corintiana, o volante, embora não tenha deixado saudades na torcida, teve a sua contribuição na conquista. O volante se aposentou em 2014 após passagem pelo Marcílio Dias-SC.

Wescley – O zagueiro de 34 anos, que defendeu o Timão entre 2004 e 2005, está sem clube desde a saída do Tricordiano, em 2017.

Rosinei – Autor do gol que abriu o placar no clássico, o meia atuou pelo Timão entre 2004 e 2007 e deixou o clube com o título brasileiro de 2005. Aos 35 anos, ele pendurou as chuteiras no primeiro semestre de 2018 após passagem pelo Juventus.

Dinelson – O atacante chegou ao Corinthians no início de carreira e disputou alguns jogos do Brasileirão 2005, incluindo o clássico. Hoje, aos 32 anos, o atleta defende o Cascavel-PR.

Carlos Alberto – O meia foi um dos principais reforços da temporada 2005 e obteve destaque na campanha vencedora do Brasileirão. No ano seguinte, ele se transferiu ao Fluminense. O carioca não atua há mais de um ano desde a saída do Atlético-PR e pode assinar contrato com o Boavista-RJ para a disputa do Carioca 2019.

Tevez – Reforço mais caro da história do Corinthians, o argentino não decepcionou em sua curta passagem pelo Parque São Jorge. No clássico, o atacante fez três gols. Hoje, aos 34 anos, ele é reserva do Boca Juniors.

– Cria do Terrão, o atacante ainda estava no início de carreira quando disputou o Brasileirão 2005. 12 anos mais tarde, em sua segunda passagem pelo Corinthians, Jô foi decisivo nas conquistas do Paulistão e Brasileirão. No final de 2017, ele aceitou oferta do Nagoya Grampus e vem se destacando no clube japonês.

Nilmar – O atacante fez dois gols no clássico. Aos 34 anos, ele está sem clube desde a saída do Santos em 2017. O jogador teve o contrato suspenso para tratamento de depressão e em julho deste ano afirmou que não tinha prazo para retornar aos gramados.

VEJA TAMBÉM:

Há treze anos o Corinthians aplicou a sonora goleada de 7 a 1 no Santos: relembre os gols