Marcelo Melo sobre parceria com Kubot: “Corro risco de tomar muitas boladas”

O tenista brasileiro Marcelo Melo curte as férias em Dubai ao lado do amigo, e agora campeão do ATP Finals, Alexander Zverev. Antes de ir aos Emirados Arabes, ele confirmou a parceria com Lukasz Kubot para 2019. Por telefone, disse ainda que a dupla vai contar com uma certa novidade durantes os treinos: os capacetes de proteção.

Paula Rühling
Jornalista formada pela Universidade Federal de Mato Grosso, apaixonada por esportes. Ex atleta de natação e típica jogadora de tênis de final de semana. Objetivo de vida: nunca deixar de contar boas histórias.

Crédito: Divulgação / ATP World Tour

Tudo não passa de uma brincadeira, mas com aquele fundo de verdade. Afinal, o tenista número 1 do Brasil nas duplas, Marcelo Melo, apareceu em um dos treinos durante o ATP Finals com um capacete amarelo da própria marca para impressionar o amigo de equipe, o polonês Lukasz Kubot. E a dupla está levando pra frente essa ideia. “A gente está vendo quais capacetes que a gente vai mandar fazer. Se será da minha marca, ou da dele,” afirmou o Girafa para o Torcedores. “Com certeza to precisando ficar protegido, pois corro risco de tomar muitas boladas.”

Visualizar esta foto no Instagram.

Pronto p começar o finals !!! ⛑ Now I’m ready to start the finals !! Vaaano q vaaaamo. @centauroesporte @itambe @meubmg #melokubot #finals

Uma publicação compartilhada por Marcelo Melo (@marcelomelo83) em

A decisão pelo uso do EPI (equipamento de proteção individual) já tinha sido confirmada em outubro deste ano, enquanto eles disputavam o ATP 500 de Pequim, na China. O modelo foi até publicado, para os fãs conferirem. Isso porque, nas quartas-de-final, ao tentar devolver o saque de Roger-Vasselin, Kubot acertou em cheio a cabeça de Melo.

Cenas como a vista acima já são recorrentes entre os dois tenistas. Ainda assim, as muitas boladas que Melo já levou de Kubot, não o fizeram desistir da parceria, confirmada para 2019. Será a terceira temporada consecutiva de Marcelo Melo e Lukasz Kubot como dupla fixa. Em 2017, primeiro ano que estiveram juntos do começo ao fim, terminaram como a dupla número um do mundo. Em 2018, ficaram em quinto lugar.

Sem comparações

“É difícil comparar o que a gente fez ano passado (com 2018). Foi realmente extraordinário, por todas as finais, e conquistas que a gente teve. Por este ser o segundo ano nosso, acredito que foi um excelente resultado.”

Após terminarem 2017 no topo, eles começaram 2018 empolgados, e ganharam o primeiro torneio, em Sydney. Depois tiveram uma queda de produção. Recuperaram-se no segundo semestre, seguindo o objetivo de terminar entre os dez primeiros, e conseguiram. Por que então mudar a receita de sucesso?

“Se os resultados não vierem, a gente continua treinando. Foi esse o principal motivo pra conseguir que virar o segundo semestre fosse melhor que o primeiro. Seguimos focados e os resultados acabaram vindo. Temos que continuar assim, para que em 2019 os resultados sejam melhores ainda.”

Melhores resultados da dupla em 2018

  • Título do Masters 1000 de Shanghai
  • Título do ATP 500 de Pequim
  • Final do US Open
  • Título do ATP 500 de Halle
  • Título do ATP 250 de Sydney

Melhores resultados da dupla em 2017

  • Final do ATP Finals
  • Título do Masters 1000 de Paris
  • Final do Masters 1000 de Xangai
  • Grand Slam de Wimbledon
  • Título do ATP 500 de Halle
  • Título do ATP 250 de S-Hertogenbosch (Holanda)
  • Título do Masters 1000 de Madrid
  • Título do Masters 1000 de Miami
  • Final do Masters 1000 de Indian Wells

Preparativos para 2019

Marcelo Melo volta ao Brasil no começo de dezembro, onde fica até o final do ano. Descansará ao lado da família, mas deve alternar o tempo livre com alguns treinamentos. No início de janeiro segue para a Austrália, onde encontra Lukas Kubot. Eles vão defender o título do ATP 250 de Sydney a partir do dia 07 de janeiro. A competição serve também de preparação para o Austrália Open, Grand Slam que começa dia 14.

Leia mais

Veja as conquistas de Federer, Nadal, Djokovic e Murray com a mesma idade de Zverev

Roger Federer: para a multidão, ver um jogo do maestro não tem preço