Ícone do site Torcedores – Notícias Esportivas

Final da Libertadores: sócios do Real Madrid esgotam ingressos para River Plate x Boca Juniors

Reprodução/Conmebol

Cercada de polêmicas, a final da Libertadores entre River Plate e Boca Juniors, que foi remarcada para o dia 9 de dezembro, em jogo que será disputado no Santiago Bernabéu, estádio do Real Madrid, na Espanha, parece estar em alta entre os torcedores do time merengue.

Neste domingo pela manhã, o Real Madrid abriu a venda de ingressos para a decisão da competição sul-americana para os sócios do clube, e não demorou muito os sócios merengues esgotarem os sete mil bilhetes disponíveis, com preços que variavam entre entre € 80 (R$ 350) e 220 (R$ 963), em aproximadamente apenas 1 hora. A informação é do Globoesporte.com.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Vale lembrar que a Conmebol confirmou que, por motivos de segurança, serão disponibilizados apenas 10 mil ingressos para torcedores de River Plate e Boca Juniors residentes na Argentina. Cada clube terá direito a uma carga de cinco mil bilhetes.

A entidade, no entanto, definiu que River e Boca podem ter até 25 mil torcedores cada, contabilizando também as 20 mil entradas que serão vendidas no próprio site da Conmebol para quem não mora na Argentina.

A bola não pode parar…

Em entrevista coletiva neste sábado (1), o presidente da Fifa, Gianni Infantino, que depois de ter presenciado a confusão entre River x Boca no Monumental segue em Buenos Aires, onde participa dos eventos do G-20, falou sobre a final da Libertadores.

A Conmebol vai ter que tomar uma decisão. Minha convicção é que tem que ser jogada. A bola não pode parar. Eu realmente queria ver esse Superclássico, um jogo que qualquer torcedor quer ver uma vez na vida… e eu saí muito triste”, disse Infantino. “Existem uns idiotas que arruinaram a festa. É preciso encontrá-los e tirá-los”, acrescentou.

O presidente da Fifa também falou sobre a final ser disputada em Madri. “O futebol é baseado em associações nacionais que jogam suas competições em seus países e competições continentais que jogam em seus continentes e depois na Fifa, que pode disputar suas competições em todos os lugares. Este é um dos pontos fortes do futebol que devemos proteger. Só que esta é uma situação excepcional. É um jogo que já tem uma enorme rivalidade e não poderia ser jogado”, completou.

Leia mais:

Sair da versão mobile