Opinião: Jungle Fight, maior ‘criadouro’ de feras das artes marciais do Brasil

Trata-se do maior campeonato de MMA (Mixed Martial Arts) da América Latina, que conta com sete categorias de peso, com mais de 600 atletas, de várias partes do mundo. Feras como Lyoto Machida, José Aldo, Renan Barão, Rogério Minotouro e Fabrício Verdum são produtos dessa fábrica de lutadores.

Luca Soares
Jornalista. Jornalismo no sangue, poesia na veia e Vascão no coração

Crédito: Reprodução/Facebook Grandes nomes do UFC saíram do Jungle Fight

E no último sábado (22), não foi diferente, com muito talento no octógono do Jungle. O pau comeu entre, como diria Galvão Bueno, “os gladiadores do terceiro milênio”, na edição 94 do Jungle Fight.

Foram lutas incríveis, quem não assistiu não sabe o que perdeu. Pra quem não pode acompanhar, dá um confere no Facebook do Jungle que tem vídeos com o resumo das grandes batalhas da noite.

Novas feras

Muitos desses lutadores, em breve, estarão brilhando nos ‘oito cantos’ do mundo, por meio do UFC (Ultimate Fighting Championship) de Dana White. E se isso é, perfeitamente, possível, é graças a eventos muito bem organizados como o brasileiríssimo Jungle Fight.

Uma das promessas do UFC, para 2019,  Paulo Borrachinha, é um dos muito lutadores brasileiros que teve seu talento descoberto e projetado para o Brasil (logo será para o mundo) pelo Jungle Fight.

Segundo o futuro dono do cinturão de peso-médio do UFC, a criação de Wallid Ismail (fundador do Jungle ) é fundamental para  MMA, porque é o “maior revelador de talentos do cenário nacional e um dos maiores do mundo.”

“Assim como eu sou um representante do Brasil no UFC, hoje, muitos podem ser, só precisam de oportunidade, que o Jungle Fight sempre dá”, afirmou o atleta.

Criado em 2003, pelo ex-lutador Wallid Ismail – que ficou conhecido como ‘matador de Gracie’ – , oito vezes campeão brasileiro de jiu-jitsu e campeão mundial de ‘Vale Tudo’, o Jungle Fight é a única competição do país a ser transmitida simultaneamente para Estados Unidos e América Latina.