Retrospectiva 2018: O surpreendente ano de Novak Djokovic

Em 2018, Novak Djokovic mostrou que ainda tem muito tênis para desfilar. Com um primeiro semestre muito abaixo, o sérvio deu a volta por cima a partir de Wimbledon, quando venceu o Grand Slam na terra da Rainha.

Verônica Jensen
Mãe, maratonista, colaboradora do Torcedores, amante de esportes, organizadora de eventos esportivos e turismóloga. E o meu dia tem 24h!

Crédito: Reprodução/site oficial ATP

Não contente, Novak Djokovic ainda levou para casa o US Open e alguns Masters 1000. Inclusive venceu Cincinnati, o único que faltava em sua coleção.

Djokovic começou 2018 desacreditado, se recuperando de lesões e cirurgias, além da constante troca de técnicos. Boris Becker e André Agassi passaram por Djokovic, mas o bom filho à casa torna e o antigo técnico Marjan Vajda voltou a treinar o sérvio. Vajda chegou em maio e, em julho, Djokovic dava a volta por cima e conquistava, de forma surpreendente, Wimbledon.

Depois do Grand Slam inglês, o tenista engatou uma série de vitórias: foi campeão em Cincinnati, depois venceu seu segundo Grand Slam consecutivo, ao erguer o troféu do US Open e, por fim, vencer em Shangai.

Com a desistência de Nadal do Masters 1000 de Paris, Novak Djokovic voltava, após dois anos, ao posto de número 1 do mundo, mesmo perdendo a final para Karen Khachanov.

ATP FINALS

O sérvio chegou ao ATP Finals como o grande favorito. O torneio, que reúne os oito melhores jogadores do ranking da ATP, aconteceu em Londres e fechou a temporada do tênis.

Como esperado, Djokovic alcançou a final, onde enfrentou o jovem alemão Alexander Zverev. Com uma atuação impecável, Zverev passeou e venceu fácil por 2 x 0 o líder do ranking.

Após um segundo semestre de 2017 frustrante, onde encerrou a temporada após Wimbledon, para Novak Djokovic foi o ano do recomeço. Inconstante no início, começou sua reação em Roland Garros, e se consagrar na tradicional grama de Wimbledon, mesmo torneio que um ano antes, abandonava por lesão.

Novak Djokovic assombrou a todos ao voltar em grande estilo, do mesmo jeito que aconteceu com Roger Federer e Rafael Nadal.

Os fãs do tênis agradecem por esses três atletas ainda honrarem e mostrarem a todos que idade é apenas um detalhe. E que ainda estão em grande forma mesmo depois dos 30 anos.

Confira abaixo a temporada 2018 de Novak Djokovic:

Australian Open: derrota para Hyeon Chung na quarta rodada;

Masters 1000 de Indian Wells: derrota para Taro Daniel na segunda rodada;

Masters 1000 de Miami: derrota para Benoît Paire na segunda rodada;

Masters 1000 de Monte Carlo: derrota para Dominic Thiem na terceira rodada;

ATP 500 de Barcelona: derrota para Martin Klizan na primeira rodada;

Masters 1000 de Madri: derrota para Kyle Edmund na segunda rodada;

Masters 1000 de Roma: derrota para Rafael Nadal na semifinal;

Roland Garros: derrota para Marco Cecchinato nas quartas de final;

ATP 500 de Queen´s: vice-campeão, ao perder para Marin Cilic;

Wimbledon: campeão ao vencer Kevin Anderson na final;

Masters 1000 de Toronto: derrota para Stefanos Tsitsipas na terceira rodada;

Masters 1000 de Cincinnati: campeão ao vencer Roger Federer na final;

US Open: campeão ao vencer Juan Martin Del Potro na final;

Masters 1000 de Shangai: campeão ao vencer Borna Coric na final;

Masters 1000 de Paris: vice-campeão, ao perder para Karen Khachanov;

ATP Finals: vice-campeão, ao perder para Alexander Zverev.

LEIA MAIS:

Opinião: Dinastia Federer – Nadal no tênis pode estar ameaçada

Karen Khachanov vence Djokovic e conquista o Masters 1000 de Paris

Novo formato da Copa Davis é criticada por Djokovic

Borna Coric surpreende e vence Roger Federer em Shangai