Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Camilinha não tem medo de enfrentar a Austrália na Copa do Mundo: “Agora será diferente”

Neste ano, a França receberá um dos torneios mais importantes do planeta. A abertura da Copa do Mundo feminina será no estádio Parc des Princes, em Paris, onde ocorrerá a partida entre a anfitriã da competição e a Coréia do Sul. O primeiro confronto do Brasil será contra a Jamaica, no dia 9 de junho, em Grenoble.  A seleção brasileira participará do grupo C junto com a Austrália, Itália e Jamaica.

Arthur Fernandes
Apaixonado por esportes, Arthur Fernandes nasceu na cidade do Rio de Janeiro e tem 4 anos de experiência em jornalismo esportivo. Em suas horas vagas, Arthur costuma aprender novos idiomas para melhorar a sua comunicação. Além disso, o mesmo é torcedor fanático do Orlando City (futebol) e do SESC RJ (vôlei).

Crédito: Créditos da imagem: (Divulgação / Orlando Pride)

Na opinião de Camilinha, que joga no meio de campo do Orlando Pride (EUA) e estará nesta edição do torneio, tendo em vista os últimos amistosos, as australianas darão trabalho para o Brasil. Vale lembrar que, em 2015, a Austrália eliminou a seleção brasileira nas oitavas de final.

“As expectativas são as melhores possíveis. Estamos indo super bem. Durante o mês de janeiro, nós começaremos um treinamento para nos prepararmos melhor para essa Copa do Mundo. A nossa chave teoricamente parece ser fácil, mas nesta competição todas as seleções vem extremamente preparadas e eu acredito que o nosso grupo não é tão fácil quanto parece. Serão adversárias difíceis, mas vamos fazer bons jogos e nos classificar. Vamos enfrentar a Austrália, que é uma pedrinha no nosso sapato, por qual já fizemos alguns amistosos e perdemos. Porém, agora será diferente”, opinou Camilinha ao “Torcedores”.

Na Copa do Mundo de 2015, sediada no Canadá, os Estados Unidos conquistou o tricampeonato mundial ao vencer o Japão na final. As artilheiras foram a Cali Lloyd e Célia Sasic, ambas com 6 gols marcados. Além disso, a Alemanha teve o melhor ataque e o Brasil conseguiu ter a melhor defesa daquela edição.

“Eu acho que o favoritismo da seleção norte-americana, como as pessoas vem comentando, é muito grande. Elas são as atuais campeãs, com certeza, são as favoritas. Porém, tem grandes seleções como Alemanha, França e Austrália que podem nos surpreender. Claro que o Brasil estará com um nível muito forte para disputar com essas seleções, logo, também somos favoritas ao título”, avaliou a atleta brasileira.

Marta, que é atacante do Orlando Pride (EUA), foi eleita pela sexta vez a melhor jogadora do mundo pela Fifa (Federação Internacional de Futebol) em 2018. Envolvendo a modalidade masculina, a jogadora brasileira é a maior vencedora do prêmio individual. Tanto Cristiano Ronaldo quanto Lionel Messi conquistaram 5 troféus cada um. Camilinha elogiou Marta e não escondeu a sua admiração pela companheira de equipe.

“Além de uma grande jogadora, ela é a minha companheira de equipe. Tenho uma grande admiração e um carinho imenso. Sou muito fã dela, nunca escondi isso de ninguém. Ela é muito importante para o Brasil, na verdade, para o futebol feminino no geral. A Marta é uma jogadora que faz muita diferença para a equipe, pois sempre surpreende. Sem duvidas, a presença dela será fundamental para passar a experiência dela para as novatas, onde eu me incluo porque nunca participei de uma Copa do Mundo e esta será a primeira. Então, tenho certeza que ela vai me passar tranquilidade e isso será importante, pois se trata de uma competição de alto nível e eu quero estar no mesmo patamar de todas as outras jogadoras. Ela já passou por várias copas, bateu na trave algumas vezes e foi eliminada, logo, a Marta tem toda a bagagem que será importante para a nossa seleção”, disse Camilinha em entrevista exclusiva ao “Torcedores”.

A Copa do Mundo na França iniciará no dia 7 de junho e o encerramento, no estádio Parc Olympique Lyonnais, será no dia 7 de julho.  A competição contará com a estrutura de 11 sedes francesas.

Leia mais – Janaína Queiroz diz que o Brasil precisa valorizar todos os profissionais do futebol feminino