Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Janaína Queiroz diz que o Brasil precisa valorizar todos os profissionais do futebol feminino

Com passagens por grandes clubes brasileiros como Santos e Corinthians, além de convocações para a seleção brasileira, Janaína Queiroz desembarcou em Portugal em julho de 2017 para defender o Braga (POR). Jogando há duas temporadas no futebol português, este não é o seu primeiro clube europeu. Afinal, a zagueira sul-americana já vestiu a camisa do Zorky Krasnogorsk (RUS).

Arthur Fernandes
Apaixonado por esportes, Arthur Fernandes nasceu na cidade do Rio de Janeiro e tem 4 anos de experiência em jornalismo esportivo. Em suas horas vagas, Arthur costuma aprender novos idiomas para melhorar a sua comunicação. Além disso, o mesmo é torcedor fanático do Orlando City (futebol) e do SESC RJ (vôlei).

Crédito: (Divulgação / SC Braga)

Com 30 anos de idade, a atleta cearense atuou por diversos clubes do Brasil, como: Santos, Centro Olímpico-SP, São José dos Campos-SP, Vitória de Santo Antão-PE e Corinthians. Janaína foi fundamental para a equipe santista conquistar o Campeonato Mundial em 2011 e a Copa Libertadores de 2009, 2010 e 2011, além de outros títulos estaduais e nacionais. Já o seu último título no território brasileiro foi a Copa do Brasil em 2016 pelo Corinthians. Na seleção brasileira, Queiroz ganhou o Campeonato Sul-americano sub-20 em 2008 e o Torneio Internacional em 2009.

A defensora está fazendo grandes partidas pelo Braga (POR). Sendo assim, foi campeã da Super Taça de Portugal em 2018. Sentindo-se confiante e segura com o seu atual momento, Queiroz descreveu a sua relação com o clube.

Aniversário CLUBE EXTRA

Clique e veja as melhores promoções!

“Tenho evoluído bastante no âmbito profissional e pessoal. O clube tem me passado muita segurança, tranquilidade e confiança. Na verdade, para todas as atletas. Já é a minha segunda temporada e percebo que cada vez mais a torcida vem nos apoiando e comparecendo no estádio”, contou Janaína Queiroz ao “Torcedores”.

No futebol feminino, Sporting (POR) e Braga (POR) são os maiores times femininos do país. Invicto com 12 vitórias em 12 jogos, o clube defendido pela jogadora brasileira está na liderança com 36 pontos, seguido do Sporting (POR) na segunda colocação. Quando perguntada sobre os clássicos do futebol feminino, Janaína relembrou momentos e confrontos contra os leões verde e branco.

“Já tivemos vários confrontos contra o Sporting e todos os jogos foram bem disputados. Típico de grandes clássicos. Recentemente, tive uma experiência maravilhosa quando ganhei  o meu primeiro título com a camisa do Braga em cima do Sporting”, disse a zagueira.

Em seu novo estatuto e regulamento de clubes, criado em 2016, a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol, na sigla em espanhol) ordena que os seus associados deverão obter equipes femininas profissionais para se garantirem nas competições masculinas organizadas pela entidade sul-americana. A atleta brasileira afirma que o Brasil evoluiu no futebol feminino, entretanto, precisa melhorar em alguns aspectos.

“O Brasil tem ido pelo caminho certo, mas ainda tem que melhorar muito. Muito mesmo. Os grandes clubes já estão começando a cumprir com o novo regulamento da Conmebol. Porém, ainda precisam se profissionalizar e valorizar todos os profissionais envolvidos na modalidade”, afirmou Queiroz.

Geralmente, os atletas de futebol conseguem manter o seu auge até os seus 30 anos e, em média, se aposentam aos 36 anos de idade. Porém, não há um período certo para encerrar a carreira. Tudo depende do psicológico e da condição física dos atletas profissionais.  Sobre este assunto, Janaína disse que ainda não pensa na sua aposentadoria e afirma que ainda está bem para jogar muitos anos.

“Estou vivendo grandes momentos na minha carreira e espero muito mais. Confesso que ainda não penso em encerrar a minha carreira agora, pois me sinto bem para jogar por muito tempo. Minha cabeça está totalmente voltada para o presente e o futuro só pertence à Deus”, disse Janaína Queiroz em entrevista exclusiva ao “Torcedores”.

LEIA MAIS: Futebol Feminino deve ganhar força no Brasil em 2019