Opinião: como seria uma seleção da Iugoslávia em 2019?

Antigamente, a Iugoslávia era composta por Sérvia, Eslovênia, Bósnia, Croácia, Macedônia, Montenegro e Kosovo. Uma suposta seleção do país poderia ser muito forte no cenário atual do futebol mundial.

Rubens Melo
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação/FIFA

A República Socialista Federativa da Lugoslávia foi uma nação localizada no leste europeu que se dissolveu no ano de 1992 devido aos diversos conflitos étnicos. A partir dela, surgiram nações hoje presentes com diversos jogadores no cenário europeu. Uma delas é a Croácia, vice-campeã da última Copa do Mundo realizada na Russia e seleção do atual melhor jogador do mundo, Luca Modric.

Apesar disso, quem herdousegundo a FIFA, o legado da Iugoslávia foi a seleção da Sérvia, que enfrentou o Brasil na fase de grupos da Copa do Mundo da Russia, mas que ficou na primeira fase da competição. A Iugoslávia também é lembrada por golear o Brasil por 8 a 4 no ano de 1930 e, principalmente, nos anos 90, com a chegada do ex-jogador Petkovic, hoje considerado sérvio.

Mas,o quão forte seria uma seleção iugoslava em 2019? Separamos alguns jogadores por posição para vermos qual seria a força dessa seleção nos tempos atuais.

Goleiros: Oblak (Eslovênia), Handanovic (Eslovênia) e Begovic (Bósnia)

Provavelmente o goleiro titular seria Jan Oblak. Atual titular do Atlético de Madrid, o goleiro esloveno impõe respeito na Espanha e já foi muito importante ao longo dos anos para os Colchoneros. O também esloveno Handanovic, há alguns anos, segura o posto de titular da Internazionale de Milão. Já Begovic, não teve tanto espaço no Chelsea devido a chegada do belga Courtois e foi transferido para o Bournemouth, onde é o goleiro titular até então.

Zagueiros: Vida (Croácia), Lovren (Croácia), Milenkovic (Sérvia) e Savic (Montenegro)

A zaga vice-campeã do mundo estaria presente com toda certeza. Vida joga no Besiktas e Lovren, há alguns anos, disputa a Premier League pelo Liverpool; e ambos atuam como titulares em seus respectivos clubes. O zagueiro Milenkovic é titular na série A jogando pela Fiorentina e tem suas boas atuações, enquanto o zagueiro montenegrino Savic já é bastante rodado e joga pelo Atlético de Madrid há quatro temporadas, podendo agregar muito com sua experiência.

Laterais: Vrsaljko (Croácia), Ivanovic (Sérvia). Kolasinac (Bósnia) e Kolarov (Sérvia)

Assim como as demais posições, jogadores bastante experientes e de alto nível jogariam pelas laterais de uma suposta Iugoslávia. Pelo lado direito, Vrsaljko passou muitos anos no Atlético de Madrid e decidiu procurar novos ares, jogando agora pela Internazionale. Já o defensor sérvio Ivanonic conta com bastante experiência desde os tempos de Premier League no Chelsea. Hoje atua como titular pelo Zenit, na liga russa.

No lado esquerdo, o lateral bósnio Kolasinac vem mostrando um futebol consistente jogando pelo Arsenal e disputaria com o experiente Kolarov, que ficou tantos anos no Manchester City e hoje atua na Itália, jogando pela Roma.

Meias: Pjanic (Bósnia), Kostic (Sérvia), Matic (Sérvia), Milinkovic-Savic (Sérvia), Kovacic (Croácia), Rakitic (Croácia), Modric (Croácia) e Brozovic (Croácia)

Aqui a lista é ampla e pra causar inveja em muita seleção. A principal força da seleção de uma suposta Iugoslávia seria com certeza o meio-campo. De volantes clássicos, um Pjanic seguro na Juventus, junto com um Matic experiente com rodagem no Chelsea e Manchester United – onde atua no momento.

A principal estrela seria Modric, atual melhor jogador do mundo e meia do Real Madrid. Junto com ele, o meia Rakitic, sempre presente no meio-campo do Barcelona. Milinkovic-Savic, jogador bastante procurado pelo mercado por suas ótimas atuações no meio-campo da Lazio, também teria muito a agregar, como também o experiente Kostic, que atua no meio campo do Eintracht Frankfurt e também Kovacic, com passagem pelo Real Madrid e que atualmente joga pelo Chelsea. Lembrando também da boa Copa do Mundo feita pelo meia Brozovic, na Rússia, que também faz boas atuações pela Internazionale, onde joga há algumas temporadas.

Atacantes: Perisic (Croácia), Rebic (Croácia), Dzeko (Bósnia) e Mitrovic (Sérvia)

Um dos melhores jogadores da Croácia na Copa do Mundo da Rússia, Perisic é peça-chave na Internazionale e costuma chamar a responsabilidade. Se a ausência da aposentadoria de Mandzukic seria bastante sentida, o bom centroavante Dzeko seria uma alternativa a altura do croata aposentado. Além deles, o atacante Rebic vem se destacando junto com a ótima campanha do Eintracht Frankfurt na Europa League e haveria ainda o centroavante do Fulham, o sérvio Mitrovic, que também sabe marcar presença dentro da área.

 

Sem dúvidas, uma seleção da Iugoslávia hoje em dia seria uma potência que bateria de frente com as mais poderosas seleções do mundo. Uma prova disso é a excelente campanha croata, com uma incrível geração, que chegou até a final da última Copa do Mundo, realizada na Rússia. Quem seria o treinador ao nível de treinar um elenco como esse? Isso com a aposentadoria de jogadores como o goleiro Subasic e Mandzukic, ambos da Croácia, que com certeza teriam vaga nesta seleção. Também jogadores como Spahic, Strinic, Ilicic, Tadic, Jovetic, Berisha e o veterano Pandev, como tantos outros.

Sem contar com os jogadores Kosovares que atuam pela Suíça: Xhaka, Shaqiri e Behrami, que poderiam agregar mais força a uma suposta Iugoslávia, o que, infelizmente, não poderia ser possível por questões políticas, mas que podem ser consideradas e, quem sabe, recriadas em jogos virtuais e por apaixonados por futebol.

LEIA MAIS:

Conmebol define Recopa em duas partidas