Caso Daniel: “Eles são monstros, não são pessoas normais”, diz mãe do ex-jogador antes de depor diante dos réus

Na última terça-feira (19), a mãe do ex-jogador Daniel, Eliana Correa, depôs frente-a-frente ao réu confesso pelo assassinato de seu filho, Edison Brittes Júnior. O jogador que estava no São Bento e acumulava passagens por Botafogo, Coritiba e São Paulo foi encontrado morto em Outubro de 2018.

Lucas Meireles
Colaborador do Torcedores

Crédito: Reprodução/Facebook Oficial do EC São Bento

Um dos depoimentos mais aguardados do Caso Daniel era Eliana Correa, mãe do ex-jogador. Antes, Eliana conversou com a imprensa sobre como seria estar diante de Edison Brittes Júnior, também conhecido como Juninho Riqueza.

“Por que não me encarar? Eu sou mãe dele. Não vou falar coisas ofensivas, não preciso disso. Eles já sabem o que são. Eles são monstros, não são pessoas normais, e não podem viver no convívio com pessoas de bem”, disse Eliana Correa ao “portal UOL”.

Durante o depoimento, a mãe de Daniel afirmou que Juninho chegou a entrar em contato com ela. Isso enquanto a polícia ainda buscava o paradeiro do jogador.

“Ele me ligou oferecendo ajuda. Foi de uma frieza desumana”, admitiu.

Eliana Correa chegou a ser questionada sobre as fotos do jogador ao lado de Cristiana Brittes, esposa de Edison Brittes.

“Ele avisava que iria sair, mas não detalhava esses relacionamentos”, explicou.

A defesa de Juninho alega que o meia tentou estuprar Cristiana. E que os réus teriam agido em defesa da esposa de Edison Brittes.

Relembre o caso

Daniel, à época no São Bento, foi morto no dia 27 de Outubro. No dia, o jogador chegou a participar da festa de 18 anos de Allana Brittes, filha de Juninho Riqueza. Depois da celebração de uma boate de Curitiba, todos seguiram para casa da aniversariante, onde o meia foi espancado.

O corpo de Daniel foi encontrado em São José dos Pinhais no dia 28 de Outubro. Segundo IML do Paraná, o jogador foi morto degolado e teve seu pênis cortado.

Réu confesso, Edison Brittes alegou que o meia tentou estuprar sua esposa. Além de Juninho, sua esposa Cristiana Brittes, Eduardo da Silva, Igor King e David Willian da Silva foram indiciados por participação no assassinato.

Segundo o último indiciado, Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, “a intenção era castrar e não matar”. Mas Edison Brittes teria mudado de postura ao ver fotos de Daniel com sua esposa. Sendo que, de acordo com uma testemunha, foi o próprio Juninho que convidou o jogador para fazer sexo com Cristiana.