Futebol

Opinião: Fracasso do Brasil no sub-20 é apenas a ponta do Iceberg

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Pelé

Crédito: Divulgação / Twitter / CBF

O Brasil não conseguiu a classificação para o Mundial na categoria sub-20, pela terceira vez nas últimas quatro edições. Esse fato não é mero acaso, pelo contrário, é a chamada “tragédia anunciada”.

Continuamos achando que somos o país do futebol, fechando os olhos para algo que a cada momento é mais nítido. Estamos em nível abaixo, inclusive na América do Sul.

Temos bons valores nas categorias de base. Continuamos revelando bons jogadores. Muito mais pela sorte do que pelo trabalho bem feito.

Não é algo estruturado. Não é algo trabalhado.

Jovens vendidos cedo demais

As promessas ficam pouco tempo no Brasil.

A maioria é lapidada na Europa, muitas vezes por clubes de médio porte e depois são vendidos por altas cifras.

Vinicius Junior pode ser considerado uma exceção, mas temos vários exemplos, como Éder Militão, Casemiro, Malcom, Marquinhos e tantos outros que  poderiam ter sido importantes nos seus clubes de formação, mas que são vendidos de forma precoce, em sua maioria, para clubes de médio porte.

O atacante do Real Madrid parece ser acima da média. Estar com ele no sub-20 seria certeza de classificação? Não, mas com certeza teríamos mais chances de ele estivesse no grupo.

Elencos com mescla de veteranos e jogadores sem mercado europeu

Vamos analisar a maioria dos elencos de nossos clubes.

A maioria conta com jogadores veteranos, jogadores da América do Sul que não tem mercado europeu e jovens da base, muitas vezes lançados de forma precipitada.

Tente lembrar da última grande venda realizada com jogador que atuava no Brasil e foi para a Europa com status de craque.

Vamos lembrar de destaques dos campeonatos recentes, que não foram nem sondados por clubes de ponta. Dudu, Everton, Luan, Arrascaeta. Nomes que seriam titulares em qualquer clube no Brasil. E que no máximo recebem propostas de mercados periféricos.

Não bastasse a falta de times competitivos para lutar contra os europeus, no Mundial da Fifa, agora deixamos de ter a superioridade inclusive na América do Sul.

Ano após ano continuamos achando que somos favoritos na Copa Libertadores, para citar um exemplo. Ano após ano, percebemos nossos rivais continentais tendo mais sucesso, mostrando um trabalho mais consistente.

Qual a solução?

A CBF precisaria se preocupar mais em valorizar os campeonatos e clubes locais. Deixar de tratar com descaso as categorias de base.

Não ter dirigentes de clubes que aceitam essa situação. Que conseguissem se posicionar de forma firme e não apenas reclamar quando são prejudicados

Mudanças são necessárias, mas infelizmente ainda não vejo a luz do fim do túnel para que o futebol brasileiro possa entrar nos eixos.

Para que possa voltar a ser respeitado.