Opinião: O falecimento de Ricardo Boechat é uma grande perda para o jornalismo brasileiro

Nesta segunda-feira (11), o jornalista, apresentador e radialista Ricardo Boechat faleceu devido a um acidente de helicóptero em São Paulo. Aos 66 anos de idade, o apresentador do “Jornal da Band” e da rádio “BandNews FM” era torcedor do Flamengo.

Arthur Fernandes
Apaixonado por esportes, Arthur Fernandes nasceu na cidade do Rio de Janeiro e tem 4 anos de experiência em jornalismo esportivo. Em suas horas vagas, Arthur costuma aprender novos idiomas para melhorar a sua comunicação. Além disso, o mesmo é torcedor fanático do Orlando City (futebol) e do SESC RJ (vôlei).

Crédito: (Reprodução / Facebook oficial do Ricardo Boechat)

A morte de Boechat é uma grande perda para o jornalismo brasileiro. Sem dúvidas, toda a nação brasileira sentirá a falta do excelente trabalho executado pelo jornalista, que sempre trabalho arduamente e buscava informar com bastante precisão. Com uma carreira brilhante, o âncora conquistou três vezes o “Prêmio Esso” em 1989, 1992 e 2001.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!

Em 1970, aos 17 anos, Ricardo começou a sua carreira no “Diário de Notícias” na cidade do Rio de Janeiro. Vale lembrar que a primeira matéria publicada pelo jornalista no veículo de comunicação foi uma nota sobre o Pelé.

“A primeira ocasião que tive oportunidade de fazer alguma coisa foi porque o Pelé estava embarcando pro exterior para receber uma homenagem qualquer e tinham sequestrado naquela tarde um cônsul suíço. A cidade ficou um caos porque a polícia bloqueou tudo, quiseram fazer uma peneira fina em seis milhões de habitantes. Tinha que ir pro Galeão, aeroporto internacional, para pegar o embarque do Pelé, essa era minha missão. O motorista foi de alguma maneira por contramão, canteiros, ruas secundárias. O fato é que nós chegamos no aeroporto e só nos pegamos o embarque o Pelé. Fizemos uma foto legenda, que acabou sendo meu primeiro texto pro jornal e graças ao motorista consegui fazer uma nota exclusiva. Então passei a fazer coisas para o Diário de Notícias”, disse Ricardo Boechat ao programa “Memória Globo” da “TV Globo” em 2000.

Em mais um dia de luto nesse início de 2019, após o rompimento da barragem em Minas Gerais, a forte tempestade na cidade do Rio de Janeiro e o incêndio no centro de treinamento do Flamengo, infelizmente, o dia fica ainda mais triste com esta grande perda. Ricardo Boechat deixa um enorme legado na imprensa brasileira.

“Eu confesso a você, com 60 anos, a essa altura do campeonato, que eu não sei como reagiria se alguém me dissesse que estou proibido de fazer alguma coisa  que a minha consciência não me proíba primeiro.”

LEIA MAIS – Flamengo rebate crítica da família de uma das vítimas da tragédia no Ninho do Urubu