PAPO TÁTICO: Bahia paga caro por não matar o jogo diante de um Vitória cauteloso até demais; entenda

Bahia e Vitória já protagonizaram grandes clássicos ao longo dos anos. E não seria diferente no primeiro Ba-Vi de 2019. No entanto, mesmo com as duas equipes vivendo momentos completamente diferentes, a partida (válida pela Copa do Nordeste) terminou empatada apesar do bom jogo coletivo apresentado pelos comandados de Enderson Moreira durante boa parte dos 90 minutos na Arena Fonte Nova. O grande X da questão está no aproveitamento das chances criadas ao longo da partida desse domingo (3). Enquanto o Vitória de Marcelo Chamusca só se soltou (um pouco) no segundo tempo, o Bahia mostrou que poderia ter saído com a vitória sem muitos problemas. Faltou mesmo é colocar a bola pra dentro e não dar sopa ao azar. Ainda mais num clássico em que absolutamente tudo pode acontecer.

Luiz Ferreira
Produtor executivo da equipe de esportes da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, jornalista e radialista formado pela ECO/UFRJ, operador de áudio, sonoplasta e grande amante de esportes, Rock and Roll e um belo papo de boteco.

Crédito: Felipe Oliveira / Divulgação / EC Bahia

É bom que se diga que o Tricolor de Aço fez uma boa partida. Mesmo tendo falhado nas conclusões, o time comandado por Enderson Moreira mostrou um bom jogo coletivo, organização tática e ótimas trocas de passe pelos lados do campo com Rogério e Moisés pela esquerda e Nino Paraíba e Arthur pela direita. Se não fosse o goleiro Ronaldo, o Bahia poderia ter ido para o intervalo com três gols de vantagem e não apenas o golaço de Gilberto aos 18 minutos da primeira etapa. O Vitória sofria para sair do seu campo e contava com o retorno dos “pontas” Andrigo e Yago voltando para perseguir os laterais adversários. Talvez se Marcelo Chamusca tivesse enxergado os espaços deixados no lado esquerdo de defesa do Bahia, as coisas poderiam ter sido um pouco diferentes na Arena Fonte Nova. Mas a intensidade do Tricolor de Aço fez a diferença diante de uma adversário mais preocupado em se defender.

O Bahia mostrou um ótimo volume de jogo diante de um Vitória mais cauteloso e teve pelo menos três boas oportunidades de marcar. A presença ofensiva dos comandados de Enderson Moreira também merece destaque. Foto: Reprodução / YouTube / Copa do Nordeste

O segundo tempo trouxe um Vitória mais disposto a sair para o ataque (até mesmo pela desvantagem no placar). Aos poucos, o time de Marcelo Chamusca foi tocando a bola com mais paciência, trabalhando melhor as jogadas e buscando a melhor maneira de entrar na área do Bahia. Este, por sua vez, seguiu desperdiçando chances (as mais claras com Rogério e Arthur) e acabou pagando por não ter colocado a bola nas redes de Ronaldo (o melhor do Leão em campo) depois de sofrer o gol de Matheus Rocha em belo chute de fora da área. Enderson Moreira tentou dar mais força ofensiva ao seu time com a entrada de Fernandão (posicionando Gilberto pelo lado esquerdo), mas o Bahia acabou não tendo forças para buscar o segundo gol. Nem mesmo quando o Vitória saía para o ataque e abria espaços generosos na sua defesa o Tricolor de Aço conseguiu ser eficiente. E olha que chances não faltaram.

O Bahia seguiu empilhando chances, mas não conseguiu ser eficiente nem mesmo quando o Vitória se soltou mais no jogo. Acabou que o Leão Baiano mostrou bastante força mental e foi premiado com o belo gol de Matheus Rocha. Foto: Reprodução / YouTube / Copa do Nordeste.

Pelo que se viu em campo na Arena Fonte Nova, a tendência é que o Bahia sofra menos nessa temporada. A começar pelo elenco que Enderson Moreira tem à sua disposição. O treinador (adepto do 4-2-3-1) conta com bons volantes e jogadores habilidosos no meio-campo. No entanto, precisa corrigir o problema das conclusões a gol percebidas no clássico desse domingo (3). Por mais que a goleada sobre o Juazeirense tenha empolgado a torcida, é bom que todos no clube tenham em mente que as coisas ficam muito mais complicadas quando o assunto é Copa do Nordeste. E isso sem mencionar o Campeonato Brasileiro e a Copa Sul-Americana. Já o Vitória precisa se reforçar. Marcelo Chamusca faz o que pode com o elenco que tem em mãos. Mesmo assim, o empate no clássico mostrou que o time teve força mental para correr atrás do resultado numa situação completamente adversa.

Bahia e Vitória podem estar em momentos completamente diferentes na temporada. Mas as duas equipes provaram que “a bola pune” as equipes não podem se dar ao luxo de desperdiçar tantas chances de gol durante 90 minutos. É preciso sim ser intenso. Mas é preciso ser eficiente. Até para que os resultados não sejam lamentados posteriormente.

LEIA MAIS:

Bahia x Vitória: assista aos gols do clássico válido pela Copa do Nordeste

Moisés do Bahia lamenta as oportunidades desperdiçadas e assume: “Saímos frustados”

Gilberto fala da doação do Bahia no clássico e se frustra com empate: “Não estou contente”