Curso de Copa

Conheça cinco nomes que mudaram suas vidas após se destacarem na Copa do Brasil

Publicado às

Colaborador do Torcedores

A Copa do Brasil é a competição que abrange o país inteiro. De norte a sul. Leste a oeste. Todas as regiões têm representantes e acaba se tornando vitrine para todos os times, jogadores e técnicos desconhecidos se tornarem reconhecidos. Seja pela conquista do título ou até por fazer bons jogos diante dos clubes de maior expressão.

Separamos cinco nomes que começaram a Copa do Brasil no anonimato e depois da competição se tornaram famosos no futebol brasileiro. Luiz Felipe Scolari, Mano Menezes, Obina, Osmar e Péricles Chamusca chegaram anônimos e depois dos bons resultados tiveram sua vida profissional mudada.

FELIPÃO

Em 1991, Felipão comandava o Criciúma para o título mais importante da história do Tigre. O primeiro título nacional do então técnico desconhecido e promissor “Luiz Felipe”. Superando o Atlético-MG, Goiás e Remo, o time catarinense enfrentou o Grêmio na final.

A campanha teve dez jogos. Seis vitórias e quatro empates. Na final, o Criciúma empatou os dois jogos contra o Grêmio. O primeiro, em Santa Catarina, ficou 0 a 0. O segundo, no Olímpico, ficou 1 a 1. Com o critério do gol fora de casa, surpreendentemente, a modesta equipe de Luiz Felipe foi campeã invicta da Copa do Brasil.

Depois da conquista, no mesmo ano, Scolari foi para o Oriente Médio, contratado pelo Al-Ahli. Em 1993 foi para o Grêmio e conquistou mais uma Copa do Brasil, a Copa Libertadores da América e o Campeonato Brasileiro, além dos estaduais. Depois do Grêmio, Scolari foi para o Palmeiras e conquistou outra Copa do Brasil e mais uma Libertadores.

Em 2001, assumiu a Seleção Brasileira. Em 2002, conquistou o maior título da sua carreira, a Copa do Mundo. Passou pela Seleção de Portugal, Chelsea, voltou para o Palmeiras e para a Seleção Brasileira. Na segunda passagem pelo Palmeiras e pela Seleção Brasileira, Scolari teve resultados péssimos. Conquistou a Copa do Brasil de 2012 com o time paulista, mas no final do ano o time foi rebaixado para a série B. Pela Seleção Brasileira, passou o maior vexame da história na goleada por 7 a 1 da Alemanha, na Copa do Mundo, em 2014, no Mineirão.

Foi para a China e se consagrou por lá sendo campeão de quase tudo que disputou. Voltou para o Palmeiras em 2018 e no meio de muita desconfiança, foi campeão brasileiro em 2018.

Luiz Felipe Scolari conquistou os maiores títulos do futebol brasileiro e do futebol mundial. Treinou equipes gigantes e conquistou o respeito de todos. Há 28 anos, ele começava a trilhar essa história vitoriosa com o Criciúma na Copa do Brasil.

MANO MENEZES

Mano Menezes começou sua carreira no futebol como jogador, mas não se profissionalizou, jogou apenas em clubes amadores. Em 2004, treinava o modesto 15 de Novembro.

Disputou a Copa do Brasil daquele ano e após um empate com o Vasco em casa, tudo parecia perdido. Em São Januário, o time do novato Mano Menezes aplicou 3 a 0 e garantiu a vaga nas oitavas de final. Depois passou pelo Americano de Campos e Palmas, chegando a semifinal. Na semifinal, perdeu para o Santo André – que foi campeão da Copa do Brasil daquele ano. Depois desse destaque no cenário nacional, Mano Menezes foi treinar o Caxias – RS.

Em 2005, foi para o Grêmio para trazer o clube de volta a série A. Em 2006, classificou o Imortal para a Libertadores da América. Em 2007, chegou a final da competição sul-americana, mas perdeu para o Boca Juniors.

Em 2007, Mano foi para o Corinthians. Em 2009, conquistou a Copa do Brasil com o time Paulista e, em 2010, foi convidado a dirigir a Seleção Brasileira. Conquistou dois Superclássicos, foi demitido. Treinou o Flamengo, voltou para o Corinthians, Cruzeiro e Shandong Luneng. Desde 2016, Mano Menezes comanda o Cruzeiro pela segunda vez. Conquistou a Copa do Brasil em 2017 e em 2018.

Há 15 anos, Mano Menezes era um tímido técnico do interior do Rio Grande do Sul e teve seu trabalho conhecido na Copa do Brasil de 2004.

OBINA

Obina ganhou destaque na Copa do Brasil de 2003. Jogando contra o Fluminense, ele marcou o gol de empate do Feira de Santana em cima do time carioca. Em 2004, voltou para o Vitória e se destacou em um time que tinha Vampeta e Edílson, dois pentacampeões mundiais. Na Copa do Brasil de 2004, Obina fez cinco gols e ajudou o time baiano a chegar até as semifinais, mas foram eliminados pelo Flamengo. Com a fama de goleador, Obina foi contratado pelo Flamengo em 2005.

O atacante foi muito contestado pela torcida do Flamengo, mas depois ganhou o carinho de toda a nação. Contra o Paraná, Obina fez o gol da vitória do Rubro-Negro e acabou, de vez, a possibilidade do Flamengo ser rebaixado naquele ano.

Na final da Copa do Brasil contra o maior rival Vasco da Gama, Obina marcou um dos três gols que deu o título ao Flamengo, em 2006. Foi peça fundamental do time da Gávea na conquista da Copa do Brasil. A partir daí a torcida entoa o canto de “Oh, Obina é melhor que Eto’o”, em homenagem ao atacante. Em 2009, foi para o Palmeiras. Em 2010, voltou para o Flamengo. No mesmo ano, foi para o Atlético – MG. No ano seguinte, foi para a China e em 2012 retornou ao Palmeiras. Em 2013, foi para o Bahia e em 2014 foi para o América Mineiro. Sem jogar desde 2016, Obina anunciou sua aposentadoria no ano passado.

Há 15 anos, Obina se destacava no Vitória, em um time com dois pentacampeões mundiais, na Copa do Brasil e, partir dali, a vida do atacante mudou, chegando a jogar em grandes clubes do futebol brasileiro. Obina também foi ídolo do Flamengo.

OSMAR

Osmar teve grande destaque na conquista da Copa do Brasil de 2004, pelo Santo André. Chamou a atenção do Palmeiras e, no mesmo ano, se transferiu para o Palestra Itália. Estreou na vitória em cima do Fluminense por 3×2. No ano seguinte, foi emprestado ao Grêmio. Depois de passar alguns anos rodando o futebol do exterior e brasileiro, Osmar voltou ao Palmeiras em 2007. Sem espaço no time, foi emprestado Ipatinga. Em 2008, foi emprestado ao Vitória, onde não conseguiu se firmar. Atualmente, Osmar joga no Mogi Mirim.

A Copa do Brasil de 2004, levou Osmar a elite do futebol brasileiro do mesmo ano, quando foi contratado pelo Palmeiras.

PÉRICLES CHAMUSCA

Péricles Chamusca se destacou dirigindo o Brasiliense, em 2002. Naquele ano, foi vice-campeão da Copa do Brasil. Em 2004, o treinador comandou o Santo André na conquista inédita e a maior da história do Ramalhão. Nas quartas de final, eliminou o Palmeiras em pleno Palestra Itália. Na grande final, encontrou o Flamengo e foi campeão em cima do time Carioca, no Maracanã lotado.

Depois do título, Chamusca treinou o Goiás, Botafogo, Oita Trinita do Japão, Sport, Avaí, Coritiba, entre outros. Desde o ano passado, ele treina o Al-Faisaly, da Arábia Saudita.

Graças ao título da Copa do Brasil de 2004, Péricles Chamusca teve seu trabalho conhecido e destacado no futebol brasileiro.

LEIA MAIS:
Copa do Brasil: saiba porque ela é a competição da unificação nacional
Vasco da Gama terá dois desfalques para encarar o Avaí