Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Opinião: Eurico Miranda, o homem de dois extremos

No início da tarde desta terça, foi dada a notícia da morte de Eurico Miranda, ex-presidente e benemérito do Vasco. A notícia é chocante. Eurico já tinha seus 74 anos, e vinha passando por vários problemas de saúde nos últimos anos, mas a morte de um personagem da grandeza e da história de Eurico nunca é fácil de digerir.

Enzo Gabriel
Colaborador do Torcedores

Crédito: Marcelo Sadio

“AMOR PELO VASCO”

“Doutor Eurico”, como era chamado, se consolidou na história do futebol brasileiro como um dos maiores e mais polêmicos dirigentes. Sua sinceridade com os jornalistas,e agressividade no trato quando se falava de Vasco, sempre foram marcas próprias. Quando o tema é Vasco, Eurico Miranda sempre vem à cabeça, já que sua figura sempre foi bastante presente para todos os apaixonados por futebol no Brasil.

A história que marca o início de Eurico no Vasco, é conhecida como “A mão de Eurico”. Em 1969, houve uma reunião para a cassação do então presidente do clube, Reinaldo de Matos Reis, que era apoiado por Eurico, e a reunião teve uma queda misteriosa de energia, que no fim das contas, de nada adiantou, já que a luz voltou. No dia seguinte, o jornal “O Globo” divulgou uma foto de Eurico desligando o quadro de energia.

No período de 1986 a 2001, Eurico teve muita notoriedade, atuando como diretor de futebol do Vasco. Foi o responsável pela montagem dos times campeões da Copa Mercosul (2000), da Libertadores (1998), e de três Campeonatos Brasileiros (1989,1997 e 2000). Ao todo, Eurico como dirigente participou da conquista de 37 taças.

Como presidente, a história de Eurico Miranda não é tão vitoriosa. Foi eleito pela primeira vez em 2001 e ficou até 2008. Nos sete anos que presidiu o Vasco, o clube conquistou apenas um Campeonato Carioca (2003), uma Taça Guanabara (2003), e três Taças Rio (2001, 2003 e 2004). Sua saída da presidência do Vasco foi comemorada por muitos torcedores, quando foi derrotado pelo ídolo Roberto Dinamite em 2008. Mas com toda sua força dentro do clube, Eurico voltou em 2014, para mais uma passagem sem sucesso, já que conquistou o bi-campeonato do Carioca (2015 e 2016), porém também somou um rebaixamento para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro.

Como se não fosse o suficiente, Eurico ainda tinha mais para aprontar dentro do Vasco e participou de toda a polêmica eleição, que resultou em Alexandre Campello como presidente do clube, no final de 2017. Eurico foi o vencedor das urnas, mas teve sua vitória anulada na justiça, por conta de fraudes envolvendo a “Urna 7“, isso fez com que Julio Brant fosse o novo vencedor, mas a eleição do Vasco não é direta, e Eurico conhecendo muito bem o estatuto do clube, conseguiu reverter a situação se unindo à Campello, e o elegendo o novo presidente do Vasco após a votação dos beneméritos.

A OUTRA FACE

Sempre embasado por seu “amor ao Vasco”, Eurico colecionou polêmicas em sua trajetória no clube. O homem não tinha papas na língua e não se arrependia de nenhuma palavra que saía da sua boca. O dirigente acreditava que vencer o Flamengo era um campeonato à parte, portanto obrigação do cruzmaltino. Uma de suas histórias mais polêmicas foi a briga com a Rede Globo. Algumas frases marcantes de Eurico podem ser vistas aqui.

Em 2001, quando era deputado, Eurico foi alvo de uma CPI que provava que Eurico desviava recurso do Vasco e usava “laranjas” para receber recursos vindos do clube. De acordo com a investigação, Eurico movimentou cerca de R$13,5 milhões nessas transações. Apesar disso, Eurico não foi cassado em seu mandato na câmara e continuou seus serviços também no Vasco.

EXTREMOS

A história de Eurico Miranda no Vasco e no futebol brasileiro sempre ficará marcada por conta de seus extremos. O dirigente que foi multicampeão, e o presidente que não teve êxito. Sua história como dirigente é perfeita e está em todos os sonhos e memórias da torcida vascaína. Já sua história como presidente foi marcada por escândalos e dívidas.

Eurico sempre terá seu nome marcado na história do futebol. Não importa se por bem, ou por mal, Eurico era uma grande atração e será sempre lembrado por todos os apaixonados pelo esporte. O Brasil perde hoje um dos maiores personagens de seu esporte mais popular.

Eurico era o único capaz de ser completamente ovacionado pela torcida, mas também ser vaiado e massacrado.

No fim, não importa qual extremo do Eurico pesa mais, se ele é amado ou odiado,o que importa é que Eurico Ângelo de Oliveira Miranda sempre estará marcado na história.

Descanse em paz, Doutor!