Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Givanildo Oliveira afirma que não treinou os 12 grandes clubes do país por ser nordestino

Com 40 títulos na carreira, Givanildo de Oliveira é um dos treinadores mais vitoriosos da história do futebol brasileiro. Atualmente no América Mineiro, o comandante de 70 anos afirmou, em entrevista ao UOL, que os 12 grandes clubes do país não o contrataram pelo preconceito contra nordestinos.

Rafael Brayan
Estudante de jornalismo. Colaborador especialista e editor-plantonista do Torcedores.Twitter: @rafaelbrayan_

Crédito: Mourão Panda/América-MG

Nascido em Olinda, Givanildo de Oliveira é um dos grandes nomes do futebol brasileiro. Apesar de acabar vencendo grandes torneios com clubes menores do país, o treinador nunca comandou uma das 12 grandes equipes do país. Um desses motivos, de acordo com o técnico, foi o preconceito contra nordestinos.

“O único motivo que eu vejo é porque eu sou do lado de lá. Eu tenho na minha cabeça que existe o preconceito, sim. Não teve treinador com os títulos que eu tenho no futebol brasileiro. Por tudo que eu ganhei, por tudo que eu fiz e ainda estou fazendo no futebol, tenho certeza que se eu não fosse de lá eu tinha trabalhado logo logo num time de ponta”, afirmou o treinador.

Aniversário CLUBE EXTRA

Clique e veja as melhores promoções!

Givanildo de Oliveira quase chegou a assinar um contrato com o Flamengo, mas nunca chegou a comandar o time carioca. “Teve uma reunião entre os presidentes. O deles perguntou: ‘e Givanildo?’. ‘Está lá com a gente. Vencedor’. ‘Eu sei. Eu tenho acompanhado, mas me diga uma coisa. E ele no trabalho?’. ‘Ele tem o estilo dele. Primeiro, tem uma coisa: ninguém escala o time dele, não. Ele pode escutar, mas para colocar é ele e não tem como’. Acabou o interesse. Do Flamengo foi isso aí. Enfim, eu não entendo”, contou.

Apesar do preconceito, Givanildo valoriza o local onde nasceu. “Eu me orgulho de ser nordestino e de ser olindense porque eu sou de Olinda. Eu me orgulho tanto de ser olindense que eu não tenho um imóvel fora de Olinda. ‘Vamos comprar um em Boa Viagem? Vão fazer um prédio lá e tem um preço bom’. Não, não quero. Compro em Olinda”, disse.

Preconceito na seleção

Além da grande carreira na beira do campo, Givanildo de Oliveira foi jogador na década de 1970. Ex-meia do Corinthians, o atual comandante do América-MG foi o primeiro jogador que atuava no Nordeste a jogar com a camisa da Seleção Brasileira.

Após a saída de Osvaldo Brandão da equipe nacional, Claudio Coutinho assumiu o comando e barrou Givanildo, Valdir Peres e outros nomes da seleção na época.

“Eu me senti injustiçado porque eu era titular. Ele fez isso porque ele sempre foi carioca, carioca mesmo. E aí ele convocou os jogadores de lá. Os quatro, pelo que eu me lembro. No meu lugar, ele convocou o Carlos Alberto Pintinho. Era bom jogador? Era, era sim, mas eu estava como titular”, revelou.

“Eu queria ir embora. O Leão me chamou no canto e disse: ‘Veja bem, isso aí faz parte. Trocou o treinador. Ele acha que tem um melhor do que você no gosto dele. Não faça isso, não. É ruim pra você. Você não é obrigado a ficar, mas não faça isso não porque vai repercutir mal’. Eu agradeço a ele até hoje. Eu fiquei, mal-humorado, chateado, mas fiquei”, concluiu o agora treinador.

Leia mais:

Ex-jogador do Corinthians, Givanildo Oliveira relembra invasão no Maracanã e fim da seca em 1977

Antes de clássico, Givanildo Oliveira afirma que teve 80% de sucesso no América-MG

As melhores notícias de esportes, direto para você