Filho de Gylmar discorda que Cássio seja o melhor goleiro da história do Corinthians

Quem é o melhor goleiro da história?Era só mais uma análise comparativa típica de programas esportivos que gerou discordâncias e dezenas de críticas, por parte das equipes rivais e dos ex-atletas do clube também.

Tathiane Marques
Colaboradora do Torcedores.com, são-paulina e admiradora do EC Bahia.

Foto: Reprodução

Cássio chegou a mesma marca de Gilmar Santos Neves, considerado por muitos como o maior goleiro da história do Corinthians, com um total de 395 jogos.

Após o jogo na noite da última quarta-feira (27), contra o Racing na Argentina em que a decisão foi para as penalidades, o arqueiro corintiano mostrou que não decepciona em jogos decisivos, fez a defesa de dois pênaltis e sua atuação virou alvo de questionamentos sobre quem é o melhor goleiro da história do Corinthians.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

Acabou que o atual goleiro alvinegro foi colocado no mesmo patamar que Gylmar e Ronaldo Giovanelli. O último atleta citado é dono de um recorde tem 601 partidas oficiais disputadas com a camisa do Timão.

O blog de Alexandre Praetzel conversou com Marcelo Neves, ex-goleiro do Corinthians e filho de Gylmar. Que afirma que seu pai é o maior de todos.

Estou vendo essa repercussão toda no sentido de qual foi o maior goleiro da história do Corinthians. Acho assim que existem alguns erros, porque quando você coloca uma pesquisa dessas na internet, o público, obviamente, é muito mais jovem, mais novo. Às vezes temos o problema da memória do brasileiro, né, de não saber a história toda, o que representou cada jogador. Eu vejo da seguinte maneira. Em todas as pesquisas que eu vi até hoje, desde que eu era jovem, o meu pai sempre foi considerado o melhor goleiro de todos os tempos do Corinthians. Isso não quer dizer que hoje o Cássio não possa atingir esse patamar. Sinceramente, acho que ainda é cedo, pelo que meu pai representou não só pelo Corinthians, mas pelo futebol brasileiro. Ele é o único goleiro bicampeão mundial do planeta por seleções, fora ser bicampeão mundial interclubes com o Santos. Então, eu acho difícil esse tipo de comparação. Cada um teve seu momento, mas a história e os números mostram. Pode ser sim, que o Cássio chegue um dia, mas hoje acho que o Gilmar dos Santos Neves e, logo após dele, eu votaria no Ronaldo Giovanelli, que inclusive eu tive o prazer de jogar junto com ele no Corinthians. Mas vamos aguardar o futuro da carreira do Cássio”.

Ronaldo Giovanelli, atualmente comentarista esportivo, tem um ponto de vista diferente de Marcelo, valoriza os feitos de Cássio e faz questão de ressaltar a sua história no clube, que começou aos 12 anos.

O que eu penso da carreira do Cássio, com o espaço que ele está conquistando no Corinthians, com títulos, vitórias, passagens maravilhosas em momentos difíceis da equipe do Corinthians, nos títulos conquistados também, com participação fundamental. Na verdade, ele é um cara predestinado a títulos e tem os companheiros ajudando também. Ali é um setor defensivo, eu aprendi isso onde todas as peças têm que estar funcionando no seu maior grau de atenção, concentração e o Cássio tem isso no momento que é necessário. E um goleiro que está sendo muito feliz no momento de pressão, quando você tem que mostrar seu trabalho. Hoje, já passando o Gilmar em número de jogos, tendo o carinho do torcedor, fazendo história, já está na história do Corinthians, praticamente. Agora, esse negócio de primeiro, segundo, fica até difícil eu falar porque eu entrei com 12 anos e saí com 30. Eu continuo sendo primeiro porque eu fiz mais jogos, contando só jogos oficiais. Meu tempo foi maior por eu ter saído das categorias de base. Então, eu fico feliz por ser lembrado e reverenciado pelo torcedor. Agora, o Cássio tem o privilégio de ter Libertadores nas costas, Mundial, e jogando muito. O reverencio sim e sempre falo bem dele. O fato de você estar na história de um clube como o Corinthians, já valeu a pena ter sido profissional e seguido a carreira. Também gostaria de lembrar do Cabeção, que jogava até sem luvas, nos momentos difíceis, e o Gilmar dos Santos Neves. Que o Cássio consiga aproveitar bem, porque quando ele parar, ele vai sentir o que eu sinto hoje, essa alegria legal dos corintianos pelo trabalho realizado com muito amor, muito carinho”.

Gylmar – Campeão paulista 1954

Mundial Seleção Brasileira 1958

Ronaldo – Campeão brasileiro 1990

Copa do Brasil 1995.

Paulista 1988, 1995 e 1997.

Cássio –  Libertadores e Mundial 2012,

Recopa Sul-Americana, 2013,

Campeão brasileiro 2015 e 2017,

Tricampeão paulista 2013, 2017 e 2018.

LEIA MAIS:

Corinthians encerra conversas e Romero deve deixar clube