Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Judoca David Moura é bronze no Grand Slam de Ecaterimburgo; Brasil conquista seis medalhas

David Moura levou a medalha de bronze no Grand Slam de Ecaterimburgo, sua primeira competição em 2019. O brasileiro derrotou  o austríaco Stephan Hegyi com um Ippon para subir ao pódio na Rússia.

Paula Rühling
Jornalista formada pela Universidade Federal de Mato Grosso, apaixonada por esportes. Ex atleta de natação e típica jogadora de tênis de final de semana. Objetivo de vida: nunca deixar de contar boas histórias.

Crédito: Divulgação / Judobase.org

Após o bronze no World Masters de Guangzhou, no ano passado, David Moura, nº 1 dos pesos pesados do Brasil, participou de sua primeira competição oficial em 2019. No Grand Slam de Ecaterimburgo, na Rússia, o judoca venceu o austríaco Stephan Hegyi com um Ippon em apenas dois minutos de luta.

Veja a luta que resultou na medalha de bronze

“To feliz! Lutei bem e ganhei de adversários bem fortes! Bom começar o ano no pódio”, declarou o atleta, em entrevista para o Torcedores.

Para chegar ao pódio, David entrou nos tatames em quatro oportunidades. Como o segundo cabeça de chave e um dos favoritos da competição, o cuiabano não precisou disputar a primeira rodada. Na segunda, venceu o mongol Temuulen Battulga em apenas meio minuto com um Ippon. Nas quartas de final, também aplicou o golpe perfeito no russo Ruslan Shakhbazov.

Na semifinal, David Moura, número quatro do mundo, ficou frente a frente com o israelita Or Sasson, medalhista de bronze na Olimpíadas do Rio. Em um confronto anterior, David saiu vencedor. Na Russia, Sasson, que hoje ocupa 17º lugar do ranking da federação internacional, foi melhor. Por isso, o brasileiro precisou disputou o bronze na repescagem.

Com a vitória, David somou mais 500 pontos para o ranking. Mas os pontos não são as maiores preocupações do judoca nesta fase. Ele prefere levar todas as competições como um treino para a Olimpíada. E a disputa por uma vaga, começa a valer 100% em maio.

“Acho q a melhor forma para mim, é pensar em dar meu melhor sempre e tentar não pensar muito em pontos”, declarou Moura. “Como no ranking olímpico só contam os cinco melhores resultados, não temos que ganhar todas as competições. Assim, meu foco e melhorar sempre e corrigir os erros”.

É importante ressaltar que Ecaterimburgo é uma das competições especiais para o judoca de 31 anos. Em 2017, David foi o campeão do Grand Slam, após derrotar o georgiano Levani Matiashvili.

Seis medalhas para o Brasil

O Brasil foi para a Rússia para a disputa do Grand Slam de Ecaterimburgo com força máxima. E saiu de lá com seis medalhas, sendo um ouro, duas pratas e três bronzes. Além disso, o Brasil ficou em quinto lugar geral, atrás de Rússia, Israel, França e Japão.

Além do bronze de David Moura, o grande destaque da campanha na Rússia foi o título de Maria Suelen Altheman (+78kg). Suelen derrotou a francesa Anne Fatoumata M’Bairo na final, de virada. Mayra Aguiar (+78kg) e Maria Portela (-70kg) levaram a prata, Rafael Macedo (90kg) e Rafael Silva Baby (+100kg) conquistaram o bronze.

Leia mais

Ginástica artística do Brasil ganha título inédito da DTB Pokal Team