Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Newcastle Surfest termina com Brasil e Austrália no topo do pódio

Sally Fitzgibbons (AUS) e Alex Ribiero (BRA) cravaram o título de campeões no 34° Newcastle Surfest, ação anual da World Surf League Qualifying Series (QS), com status de 6000 importantes pontos para o ranking mundial.

Aline Taveira
Colaboradora do Torcedores.com.

Crédito: • Alex Ribeiro (BRA) and Sally Fitzgibbons (AUS) take out the 34th Annual Newcastle Surfest QS6,000. Credit: © WSL / Tom Bennett

O evento contou com excelentes ondas em Merewether Beach, pelo Newcastle Surfest. Os dois campeões tiveram que lutar contra muitos de todo o mundo para conquistar o primeiro QS 6.000 combinado, ou seja, masculino e feminino, da temporada 2019.

Lado feminino

(AUS) chairs Finals opponent Sally Fitzgibbons (AUS) to victory at the Holmes Civil Developments Pro at Merewether for Newcastle Surfest.

Como havia levantado o troféu em 2012 e 2016, Sally Fitzgibbons (AUS) entra, agora, para o time dos tricampeões do Newcastle Surfest ao lado de Mick Fanning (AUS), Pam Burridge (AUS) e Rebecca Woods (AUS). A australiana, que vem se recuperando de uma fratura no ombro, estava perto de sair do evento no início da semana. Depois de muito trabalho duro e preparação, Fitzgibbons estava pronta para o último dia e parecia impossível de se derrubar, com excelentes pontuações durante o evento. Na final do Holmes Civil Developments Pro, ramificação do evento dedicada às mulheres, a número 6 do ranking mundial enfrentou a antiga ameaça Isabella Nichols (AUS).

Isabella Nichols posting her best result to date at the Holmes Civil Developments Pro QS6,000 Newcastle Surfest.
Credit: © WSL / Tom Bennett

“Saber que eu tinha alguns obstáculos para superar no início do evento e superá-los para vencer – esse é um sentimento muito bom”, disse Fitzgibbons. “Eu não tinha certeza se seria capaz de me vestir e me arriscar sem me machucar antes do início do campeonato. Fico feliz de ter superado isso e poder competir com todos aqui, pois é muito competitivo e inspirador nesses eventos do QS. Eu nunca tive meu colega finalista me levando até a praia e eu acho que é um bom reflexo da personalidade de Isabella. Nós duas temos muito respeito pelo surf uma da outra e temos passado um tempo treinando juntas recentemente, então foi uma grande honra. Eu sei que ela vai estar no Championship Tour em breve.”

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva

Lado masculino

Alex Ribeiro (BRA) boosting to victory at the Burton Automotive Pro, Merewether for Newcastle Surfest.
Credit: © WSL / Tom Bennett

Depois de se classificar para o Championship Tour em 2017, Alex Ribeiro (BRA) infelizmente machucou o pé, passou a maior parte da temporada às margens e não conseguiu se requalificar. Em 2019, o jovem e entusiasmado está ansioso para voltar ao CT e deu um passo importante ganhando o Burton Automotive Pro, ramificação masculina do evento, com uma incrível exibição de surf aéreo.

Jadson Andre (BRA) finishing runner-up at the Burton Automotive Pro, Merewether for Newcastle Surfest.
Credit: © WSL / Tom Bennett

“Eu me sinto tão incrível agora”, disse Ribeiro. “Foi um dia incrível e ter uma final com meu amigo Jadson foi tão incrível. Eu tenho trabalhado muito duro para voltar ao topo, então esta é uma vitória muito especial para mim. Estou feliz por ter vencido o Jadson porque ele está em tão boa forma, então seria difícil de derrotar. Eu quero voltar para o CT e esse resultado vai ajudar muito a chegar até lá, então estou muito feliz”.

As finais

Na final do Holmes Civil Developments Pro, Fitzgibbons superou a ex-campeã mundial júnior Isabella Nichols (AUS), que apareceu pela primeira vez em sua carreira em uma final de QS6,000. Tendo perdido a qualificação para o CT por pontuações muito estreitas das últimas 3 temporadas, Nichols precisava de um resultado sólido para montar o ano e ter uma boa inclinação no Dream Tour. O resultado final fez com que Nichols ficasse em segundo lugar no ranking de QS e é, de longe, o melhor resultado de sua carreira adulta.

“Estou muito animada com este resultado”, disse Nichols. “Eu cheguei a uma semifinal antes, mas surfar em uma QS6,000 final com um surfista como Sally é realmente especial.”
Na Final, Alex Ribeiro teve a difícil tarefa de enfrentar o concorrente do Campeonato Mundial, Jadson Andre (BRA), que acabou de vencer em um recente QS6.000 em sua terra natal, o Oi Hang Loose Pro Contest. Jadson conquistou excelentes pontuações durante a final com alguns aéreos enormes nas ondas de Merewether. Andre agora lidera o ranking de QS. “Estou muito feliz por ver Alex ganhar porque ele é um grande surfista e merece estar de volta ao CT. Esta foi uma ótima semana aqui em Newcastle e foi ótimo ter ondas tão boas na final.”

Oitavas de final

A briga esquentou na disputa para as oitavas de final. Sete brasileiros e um peruano entre os 24 finalistas do QS 6000 de Newcastle

O então líder do ranking Jadson André puxou a fila dos sul-americanos classificados na quinta-feira para disputar vagas para as oitavas no tradicional Burton Automotive Pro na Austrália

Ele e mais seis brasileiros passaram para a fase dos 24 surfistas que disputaram vagas para as oitavas de final do Burton Automotive Pro no tradicional Surfest Newcastle. Entre eles, estavam Deivid Silva, Caio Ibelli, Miguel Pupo, Alex Ribeiro, Krystian Kymerson e o jovem Matheus Herdy. O peruano Miguel Tudela completou o pelotão sul-americano e no QS 6000 feminino a equatoriana Dominic Barona também avançou para a rodada classificatória para as oitavas de final do Holmes Civil Developments Pro na quinta-feira em Merewether Beach.

Mateus Herdy at the Burton Automotive Pro for Newcastle Surfest
(@WSL / Tom Bennett)


A bicampeã sul-americana da WSL South America disputou as duas primeiras vagas com a top do CT, Malia Manuel, do Havaí, e a australiana Isabella Nichols. Na categoria masculina, um total de 38 surfistas de cinco países da América do Sul estavam entre os 144 participantes da primeira das duas etapas seguidas do QS 6000 na Austrália. Vinte e cinco deles deles estrearam na primeira fase e dezenove avançaram para se juntar aos treze cabeças de chave que entraram direto na segunda e última rodada de 24 baterias. Esta só foi encerrada na quinta-feira e dos 32 sul-americanos, quinze passaram para a fase dos 48 melhores, que também rolou inteira no mesmo dia. Destes quinze, oito avançaram para disputar vagas para as oitavas de final do Newcastle Surfest

O peruano Miguel Tudela é o único não brasileiro e já começou aparecer na lista dos dez surfistas que se classificam para a elite dos top-34 da World Surf League pelo ranking do QS, com a passagem para a quarta fase na quinta-feira de boas ondas em Merewether Beach. Ele venceu uma bateria contra dois brasileiros e um integrante do CT. Na briga pela segunda vaga, Miguel Pupo superou o também paulista Thiago Camarão e o australiano Jack Freestone.

A segunda batalha por duas vagas foi 100% brasileira, entre os paulistas Deivid Silva, Caio Ibelli e Miguel Pupo. Jadson André entrou na terceira bateria junto com o capixaba Krystian Kymerson e o havaiano Joshua Moniz, para defender a liderança do ranking pela terceira vez em Newcastle. Na quinta-feira, Jadson achou boas ondas para derrotar seus adversários, um deles o atual campeão sul-americano da WSL South America, Wesley Santos. O norte-americano Tanner Gudauskas impediu a dobradinha brasileira com o paulista, que foi eliminado junto com o português Vasco Ribeiro, último colocado.

O baiano Marco Fernandez também não conseguiu completar uma classificação dupla no confronto Brasil x Austrália vencido pelo novo top do CT, Deivid Silva. O australiano Jackson Baker passou em segundo, mas esta terceira fase começou com um brasileiro tirando dois surfistas da casa numa tacada só. O também paulista Caio Ibelli passou em segundo na bateria vencida pela nova promessa do surfe australiano, Jack Robinson, com ambos eliminando a principal estrela deles, o vice-campeão mundial Julian Wilson.

O capixaba Krystian Kymerson também barrou dois australianos na sua, Reef Heazlewood que defendia a sétima posição no ranking e Harley Ross. O francês Joan Duru foi o vencedor. Três baterias depois, o atual campeão mundial Pro Junior da WSL, Mateus Herdy, ganhou o confronto Brasil x Estados Unidos que terminou empatado em 2 a 2. Luke Gordon não deixou acontecer uma dobradinha catarinense, ganhando a segunda vaga de Tomas Hermes.

O top do CT Jessé Mendes foi eliminado logo após a vitória de Mateus Herdy, mas o paulista Alex Ribeiro venceu a bateria que fechou a lista dos 24 surfistas que seguem na disputa do título do QS 6000 Burton Automotive Pro. Ele enfrentou mais dois norte-americanos e Patrick Gudauskas passou em segundo, barrando o peruano Tomas Tudela, irmão do Miguel que tinha vencido a sua bateria e disputou as primeiras vagas para as oitavas de final na sexta-feira do Newcastle Surfest

Maioria nas finais 

Jadson André, Deivid Silva, Miguel Pupo, Alex Ribeiro, Krystian Kymerson e o peruano Miguel Tudela passaram para as oitavas de final.
A maioria dos classificados para as oitavas de final do Burton Automotive Pro na sexta-feira é do Brasil com cinco surfistas, Jadson, os paulistas Deivid Silva, Miguel Pupo, Alex Ribeiro e o capixaba Krystian Kymerson. O peruano Miguel Tudela também continua na briga do título do tradicional Surfest Newcastle, mas no feminino nenhuma sul-americana avançou para as oitavas de final do QS 6000 Holmes Civil Developments Pro.

Os homens competiram na quarta fase entre duas rodadas das meninas, que abriram e fecharam a sexta-feira (15) de ondas de 3 pés em Merewether Beach.

A brasileira Tatiana Weston-Webb, cuja bateria havia ficado para sexta, até passou a primeira, mas depois foi barrada pelas australianas Bronte Macaulay e Holly Wawn na terceira batalha por vagas nas oitavas de final. Assim como a  equatoriana bicampeã sul-americana Dominic Barona, que já tinha sido eliminada na primeira pela australiana Isabella Nichols e a havaiana Malia Manuel, terminou em 17.o lugar no QS 6000 de Newcastle, marcando 1.050 pontos no ranking.

A peruana Melanie Giunta e a argentina Josefina Ané perderam nas baterias restantes da terceira fase que abriram a sexta-feira. Elas ficaram em terceiro lugar nas suas baterias e empatadas na 25.a posição com 700 pontos.

Na quarta fase masculina, o Brasil sofreu duas baixas. A primeira foi Caio Ibelli na bateria 100% paulista que classificou Miguel Pupo e Deivid Silva. A outra foi o atual campeão mundial Pro Junior da World Surf League, Mateus Herdy. O catarinense foi barrado pelo japonês Hiroto Ohhara e o australiano Caleb Tancred.

Caio Ibelli at the Burton Automotive Pro for Newcastle Surfest
Caio Ibelli (SP) (@WSL / Tom Bennett)


Mesmo assim, os brasileiros se destacaram nas ondas de Merewether Beach mais uma vez e garantiram maioria entre os dezesseis finalistas com cinco surfistas, contra apenas três australianos, dois norte-americanos, um peruano, um francês, um italiano, um sul-africano, um japonês e um da Costa Rica. O peruano Miguel Tudela enfrentou dois australianos na primeira bateria e conseguiu a classificação por somente três centésimos de diferença em sua última onda, despachando Jackson Baker por 8,43 a 8,40 pontos. O vencedor foi a promessa do surfe australiano, Jack Robinson, com 11,33 somando 7,33 da sua melhor onda.

Foi a mesma nota que Miguel Pupo recebeu para vencer o confronto brasileiro da sexta-feira. Ele ainda computou um 6,27 para totalizar 13,60 pontos. O novo top do CT, Deivid Silva, também surfou bem uma onda que valeu 6,77 para passar em segundo com 12,10 contra 10,03 de Caio Ibelli, que ficou em 17.o lugar no Burton Automotive Pro. Deivid Silva vai disputar a primeira vaga para as quartas de final com Jack Robinson e Miguel Pupo fará um confronto sul-americano com o peruano Miguel Tudela na segunda bateria.

A dobradinha brasileira de Miguel Pupo e Deivid Silva se repetiu na disputa seguinte com o potiguar Jadson André e o capixaba Krystian Kymerson despachando o havaiano Joshua Moniz. Jadson usou os aéreos para ganhar a segunda maior nota do dia, 7,83, que só foi ultrapassada pelo recordista absoluto da quarta fase, Carlos Muñoz. O costa-ricense tirou uma nota 8,00 na melhor apresentação da sexta-feira e atingiu 14,07 pontos, sendo o único a superar os 13,60 de Miguel Pupo.

Próximo passo

Os competidores agora vão voltar sua atenção para o Vissla Sydney Surf Pro QS6, que será lançado amanhã de manhã em Manly, nas praias do norte de Sydney.

LEIA MAIS: WSL 2019: TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE AS MUDANÇAS PRA ESSE ANO