Depois de denunciar Bernardinho, time LGBT de vôlei é ofendido nas redes sociais

O time LGBT de volei Angels Volley Brazil mostrou, através do Instagram, o vídeo em que o técnico Bernardinho, do Sesc Rio, chama a jogadora Tifanny, do Sesi Bauru, de “homem”, durante a partida pelas quartas de final da Superliga feminina. Após a denúncia, a equipe foi alvo de críticas e ofensas, mostrados pelo UOL Esportes.

Paula Rühling
Jornalista formada pela Universidade Federal de Mato Grosso, apaixonada por esportes. Ex atleta de natação e típica jogadora de tênis de final de semana. Objetivo de vida: nunca deixar de contar boas histórias.

Crédito: Angles Volley Brazil. Divulgação / Instagram

O comentário de Bernardinho durante a partida entre Sesc Rio e Sesi Bauru sobre a ponteira Tifanny não passou despercebido. A transmissão da TV captou o momento que o treinador diz “Um homem, é f*, referindo-se à atleta. Em seguida, a equipe Angles Volley Brazil, que há 11 anos vem lutando por igualdade no esporte, acabou divulgando esta situação no Instagram. A ideia era protestar contra o preconceito, ainda que a própria Tiffany não tenha entendido o ato como ofensivo. 

O vídeo, que tem mais de 21 mil visualizações, recebeu muito apoio, principalmente da comunidade LGBT. Após grande repercussão, o treinador pediu desculpas para a jogadora. Mas, a denúncia acabou sendo alvo de muitas críticas e comentários ofensivos na rede social. Ou seja, muitas pessoas não entenderam o significado da denúncia. Veja.

Veja os PROGNÓSTICOS dos especialistas para os jogos do final da semana

Comentários ofensivos sobre o Angles Volley e a Tiffany. Reprodução UOL Esportes/ Instagram

 

“Estamos muito chateados e assustados com a proporção que tudo tomou e com a força do discurso de ódio invadindo as nossas redes sociais”, comentou Willy Montmann para o repórter Leandro Cameiro, do UOL. “Postamos o vídeo porque acreditamos que o mundo precisa de mais empatia. Temos 11 anos de história, temos time masculino e feminino. Sabemos que conviver traz o entendimento para o respeito e a aceitação. Não podemos ser tolerantes com falas intolerantes, mesmo que feitas no calor de algum momento. Somos o país recordista de mortes de LGBTQI+ do mundo. Nossa fala foi de dor e não nos arrependemos.”

Willy confirmou que Bernardinho conversou com outros membros do Angels, lamentando o ocorrido. Além disso, informou que as ofensas tomaram conta de outras fotos divulgadas pela equipe LGBT, mas que a luta continua. “Vivemos um retrocesso perigoso e o Angels Volley não vai se calar”, afirmou.

A publicação

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Hoje era para ser um dia feliz para comunidade LGBTQI! Tifanny esta tendo uma bela segunda temporada de aceitação, onde a grande maioria finalmente entendeu que ela é uma mulher boa jogadora com dias bons e dias ruins como várias outras! Hoje ela e todo time do Bauru jogaram bem, algo que não aconteceu no jogo anterior, e mereceram a vitória classificatória na bola em quadra! Porém foi triste ouvir da boca de um técnico referência mundial, bicampeão olímpico, recordista em prêmios de Superliga que ela era um homem! ” Um homem! É foda! ” Transfóbicos e homofóbicos não vão passar sem serem apontados na nossa página! Pode ser o papa do vôlei… Vamos desmarcarar todos! Parabéns para o time feminino do Vôlei Bauru, mulheres incríveis que ganharam jogando por merecimento e sem nenhuma vantagem! #angelsvolley #angelsvolleybrazil #volei #voleibol #volley #volleyball #gayvolleyball #volleyballgays #volleygays #superligafeminina #superligadevolei #esporte #sport #sportsgay #sportgay #gaysport #gaysports #copaangels #copaangelsvolley #transfobia #direitostrans #mexeucomumamexeucomtodas #voleifeminino #direitodamulher #contraomachismo #mulheresunidas #convivertransforma #visibilidadetrans #diadavisibilidadetrans

Uma publicação compartilhada por Angels Volley Brazil (@angelsvolley) em

Leia mais

Bauru vence no último lance, sobe para 7º e distancia Paulistano do G4 do NBB

Jogadoras da seleção brasileira acusam CBV de machismo após ranking ser mantido