Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Vissla Sydney Surf Pro segue com cinco brasileiros e desfalque no Inka Team

Para avançar para as oitavas de final do Vissla Sydney Surf Pro, os surfistas tiveram que lutar para achar boas ondas. Sete sul-americanos conseguiram se classificar, entre eles cinco brasileiros: Jadson André, que defende a liderança do ranking, Jessé Mendes, Ian Gouveia, Thiago Camarão e a gaúcha Tatiana Weston-Webb.

Aline Taveira
Colaboradora do Torcedores.com.

Crédito: Jadson André (RN) (@WSL / Matt Dunbar)

No ano passado, os brasileiros reinaram nas ondas de Manly Beach, com seis entre os oito que passaram para as quartas de final do evento encerrado com uma final verde-amarela, vencida pelo paulista Deivid Silva contra o catarinense Alejo Muniz. Deivid perdeu em sua estreia no Vissla Sydney Surf Pro esse ano, mas quatro brasileiros seguem firmes para tentar o bicampeonato consecutivo em um dos eventos mais tradicionais do Circuito Mundial.

O potiguar Jadson André, o pernambucano Ian Gouveia e o peruano Alonso Correa, tiveram que encarar o mar difícil da sexta-feira duas vezes, já que competiram nas baterias restantes da terceira fase que abriram o quinto dia em Sydney. Ian passou em segundo lugar na primeira enquanto o catarinense Mateus Herdy foi eliminado, e então venceu a quinta batalha por vagas nas oitavas de final, com o uruguaio Marco Giorgi completando uma dobradinha sul-americana sobre o português Vasco Ribeiro.

“O ano passado foi difícil pra mim, mas aprendi muito”, disse Ian Gouveia, que perdeu sua vaga na elite do CT em 2018. “Foi difícil pra mim lidar com isso, mas certamente serviu como uma grande experiência que pode me ajudar a voltar para lá. Ainda sou jovem e estou preparado para voltar ao CT. Acho que todas as lições serviram de aprendizado, que vou usar para competir em eventos como este. Espero avançar mais algumas fases para quem sabe fazer a final aqui”.

Assim como Ian Gouveia, o potiguar Jadson André também passou em segundo lugar no segundo duelo do dia, vencido pelo neozelandês Ricardo Christie. Jadson ganhou a última bateria masculina do dia na sexta-feira, encerrada com o peruano Alonso Correa sacramentando a segunda dobradinha sul-americana na quarta fase. A vítima foi o australiano Matt Wilkinson, que no ano passado foi rebaixado do CT para o QS.

Após o encerramento da terceira fase, começou a batalha por vagas nas oitavas de final e a primeira participação brasileira terminou com uma classificação dupla dos paulistas Thiago Camarão e Jessé Mendes, eliminando o francês Nomme Mignot. Camarão fez os recordes do dia, totalizando 16,57 pontos com a nota 9,07 de uma onda massacrada por uma série de cinco batidas e rasgadas executadas com pressão e velocidade.

INKA TEAM

O peruano Alonso Correa tinha vencido a bateria que fechou o Round 3 logo cedo, quando o mar ainda estava bem devagar, com poucas ondas boas. Ele conseguiu encontrar algumas para mostrar o seu surfe mas, infelizmente, seu compatriota que chegou em Sydney em quinto lugar no ranking, Miguel Tudela, não conseguiu fazer uma dobradinha do “Inka Team” em Manly Beach. Tudela ficou em quarto na bateria e a última vaga foi conquistada pelo australiano Liam O´Brien.

Alonso Correa (Rommel Cruz)

Vagas no G-10

O peruano Miguel Tudela é o quinto colocado no ranking e também perdeu na sexta-feira (22), mas ambos seguirão no grupo dos dez indicados pelo QS para a elite dos top-34 da World Surf League. Isto porque os quatro que estão abaixo deles no G-10 já saíram do Vissla Sydney Surf Pro e o catarinense Yago Dora nem foi competir nos QS 6000 da Austrália.
Os que estão mais próximos da zona de classificação agora, ameaçando tirar o australiano Connor O´Leary da lista, são o havaiano Ian Gentil, o japonês Hiroto Ohhara e o peruano Alonso Correa, que já saltou do 47.o para o 18.o lugar no ranking. Para ultrapassar os 4.770 pontos do australiano último colocado no G-10, Alonso terá que chegar nas semifinais em Sydney. Se conseguir, pela primeira vez na história, dois peruanos estarão na lista dos dez que sobem para o CT. É o “Inka Team” dos surfistas peruanos mostrando sua força esse ano.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva

QS 6000 feminino

Diferente da maioria dos dias da semana em Manly Beach, na sexta-feira os homens competiram primeiro e as meninas só entraram depois, à tarde, para disputar vagas para as oitavas de final. A brasileira Tatiana Weston-Webb era a única representante da América do Sul e a gaúcha surfou bem para vencer fácil por 13,73 pontos. Ela somou as duas maiores notas da bateria, 7,33 e 6,40, para derrotar duas australianas, a nova líder do ranking do WSL Qualifying Series, Isabella Nichols, e Dimity Stoyle eliminada em 17.o lugar.

“Na minha opinião, competir nos eventos do QS é totalmente diferente do CT”, ressaltou Tatiana Weston-Webb. “Você realmente tem que mudar suas táticas para as baterias com quatro surfistas em condições de ondas difíceis como as de hoje (sexta-feira) aqui. Além disso, as meninas estão realmente elevando o nível do QS, então todas as baterias são difíceis. Eu percebi que os juízes estavam valorizando manobras grandes, então tentei fazer isso e não me preocupar se não conseguisse encaixar outra menor. Estou feliz que deu tudo certo”.

Leia maisWSL 2019: Tudo que você precisa saber sobre as mudanças desse ano