6 fatos que explicam a queda de Zé Ricardo no Botafogo

Zé Ricardo não é mais técnico do Botafogo. O clube anunciou o desligamento do treinador nesta sexta-feira (12) e agradeceu o trabalho, a dedicação e o profissionalismo empregado. Veja alguns fatores que podem explicar a queda de Zé Ricardo.

Juvenal Dias
Jornalista formado pela Universidade P. Mackenzie/SP desde 2013. Atuo na área esportiva desde 2010, quando ingressei no Diário Lance! Lá permaneci por seis anos e tive oportunidade de fazer parte da cobertura dos Jogos Olímpicos Rio-2016. Desde 2017 sou colaborador do Surto Olímpico. Já fui também do Bola Parada. Estou no Torcedores desde meio de 2018.

Crédito: Twitter/ Botafogo

A eliminação na Copa do Brasil para o Juventude, um time que está na terceira divisão nacional, foi o fator derradeiro para a demissão de Zé Ricardo do Botafogo. No entanto, este não foi o único fator que determinou sua saída do cargo. O treinador chegou ao clube alvinegro no começo de agosto do ano passado. Primeiramente teve uma missão bem complicada: levar o time a uma recuperação dentro do Brasileirão para fugir do rebaixamento. Não só o fez, como também deixou o time na zona de classificação da Sul-Americana.

Contudo, 2019 não teve o início que Zé Ricardo e a torcida esperavam. Neste hiato entre o fim do Campeonato Brasileiro e sua demissão com quatro meses de temporada é possível listar seis motivos que jogam contra o treinador.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

Fatos

  • – Mesmo que tenha perdido muitas peças na janela de transferências, o clube trouxe nomes de peso, como Diego Souza, Erik e Cícero. Zé Ricardo não conseguiu extrair o melhor deles e fazer com que o time criasse uma liga. O padrão de jogo caiu bastante desde sua chegada;
  • – Péssima campanha na Taça Guanabara, com uma vitória e um empate em cinco jogos. O treinador terminou esta fase com a quinta pior campanha no geral;
  • – Semelhantemente ruim foi a campanha na Taça Rio, na qual até fez maior pontuação, com duas vitórias e três empates, em seis jogos. Mas também não conseguiu levar o time às semifinais do returno;
  • – Além de ficar fora das fases finais de cada turno e das finais gerais do estadual, o treinador não venceu um clássico este ano. Perdeu para o time misto do Flamengo. Depois só empatou com Vasco e Fluminense;
  • – Certamente, dentro da avaliação geral, pesa a eliminação da Copa Sul-Americana de 2018. Ainda que tenha passado este ano pelo Defensa y Justícia, na edição anterior, perdeu em casa, nos pênaltis para o Bahia, já nas oitavas-de-final da competição;
  • – Por fim, o confronto derradeiro da Copa do Brasil. Zé Ricardo teve onze dias de preparação entre a saída do estadual e a primeira partida contra o Juventude. Em casa, não conseguiu nada mais que o empate. Eventualmente poderia até ter perdido, se não fosse o gol de Erik, de pênalti, para livrar o time da vergonha. Todavia, mais uma semana para melhorar o sistema de jogo e preparar para a volta. Seu plano não deu certo, ainda mais com Alex Santana tendo sido expulso.

LEIA MAIS

Com queda de Zé Ricardo, cinco times da série A já trocaram de técnico em 2019; confira