Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Alain Prost reverencia Senna: “vive comigo há 30 anos”

Ayrton Senna é considerado por muitos especialistas em automobilismo como o maior piloto de todos os tempos. Seu maior rival, foi sem sombra de dúvidas, o francês Alain Prost. Neste primeiro de maio de 2019 completam-se 25 anos desde a morte de Senna em Imola. Prost afirmou recentemente em entrevista que sua carreira e vida são ligadas à Ayrton de forma categórica.

Bruno Wang
Redator e Pós Graduado em Jornalismo Esportivo. Ama Futebol e o Esporte.Redator Sênior do Torcedores.comPara um pouco mais de mim, pode me escrever: Brunocom26@gmail.com

Crédito: Tony Feder/Allsport/Getty Images

A rivalidade dos dois é considerada a maior da categoria. Alan Prost, tetracampeão de Formula 1, foi também companheiro de equipe de Senna na McLaren. Lembrou com um certo saudosismo a competição entre os dois.

Para ele, como pilotos, deixaram uma marca extremamente profunda no esporte. Mas nunca se deu conta disso no passado.

O francês declarou de forma saudosista: “Não há um momento sequer em que, se alguém fala de Prost, não mencione Ayrton Senna e vice-versa. (…) vivo com ele há uns 30 anos”. Há um quê de respeito por aquele que foi de rival à amigo ao longo de uma carreira vitoriosa.

Prost lembrou que não há um dia em que não sem fale no assunto. Reverencia Senna ao dizer que transcenderam o mundo do automobilismo para um mundo aberto. Onde detalhes pequenos detalhes podem ser esmiuçados e outras perguntas levantadas.

Quem foi melhor? o mais pragmático? quem quebrava os limites? hoje é possível encontrar publicações inteiramente dedicadas ao assunto. Debates em que não existam apenas uma resposta correta.

Tudo o que ocorreu foi uma batalha humana, de habilidade, com culturas e duas pessoas de países totalmente opostos. Também de egos, de falhas de caráter e de talentos distintos. A morte de Senna tornou Prost quase que uma referência quando a carreira do brasileiro é lembrada.

A rivalidade Prost e Senna durou cerca de cinco anos. Como companheiros de equipe e depois com a supremacia da Williams pilotada pelo francês sobre a McLaren em 1993. Prost deve seu tetracampeonato ao aclamado FW15 da Williams com motor Renault. Praticamente imparável.

O que fez com que a história dos dois continuasse ecoando competição. Como piloto obcecado pela vitória, Senna não descansou até conseguir teoricamente o melhor carro, que seria a Williams de 1994.

Prost decidiu se aposentar antes daquela temporada fatídica. Muitos duvidaram se a rivalidade continuaria.

Senna tinha Juan Manuel Fangio, pentacampeão mundial de F1, como referência em pilotagem. Galvão Bueno afirmou no programa “Linha de Chegada” do SporTV em 2014 que os planos do brasileiro incluíam igualar seu ídolo e se aposentar na Ferrari.

A rivalidade continuou de forma velada, mas surpreendentemente, depois tomou contornos de admiração recíproca.

Ao olhar a carreira e esses acontecimentos de perto, o Professor, como Prost foi apelidado disse: “(…) corríamos um contra o outro, mais ou menos 50% das pessoas me odiavam e as outras 50% me adoravam”. Quando se aposentou a relação mudou para amizade. Rivalidade deu lugar para respeito.

Alguns fãs de Senna mudaram de certa forma sua opinião sobre Prost. Adotaram a ideia de uma era que marcou o esporte. De uma história conjunta. Prost declarou “(…) ter tido muita sorte por ter vivido isso dessa maneira”.

Um fato curioso daquele que é considerado o maior rival de Ayrton Senna. Ele disse ser mais famoso no Brasil do que na própria França.

Em suas próprias palavras, o que mostra reverência por aquele que um dia foi seu maior antagonista, Alain falou: “Quando vou ao Brasil, talvez eu seja mais conhecido até que na França e há um entusiasmo incrível (…) há uma coisa que já se converteu em respeito”.

Senna e Prost. De fato,´para sempre ligados pela história.

LEIA MAIS

MARACANÃ SEDIOU GRANDES DECISÕES DO FUTEBOL; VEJA DEZ FINAIS QUE ESTREMECERAM O ESTÁDIO