Futebol

Diretor do Cruzeiro abre o jogo em relação ao déficit de R$ 27,2 milhões e dívidas do clube

Publicado às

Foi editor do semanário BolanoBarbante, apaixonado por esportes, entusiasta das corridas de rua e dos jogos de tênis.

Flávio Pena esclarece dívidas e déficit do balanço patrimonial

Crédito: Divulgação/Cruzeiro

Apesar de dentro de campo o Cruzeiro viver uma ótima fase, fora dele a diretoria se desdobra para sanar as dívidas do clube, assunto que corriqueiramente faz parte do noticiário esportivo. Em entrevista à Rádio Itatiaia, o diretor financeiro, Flávio Pena, explicou a situação do déficit no valor de R$ 27,2 milhões que consta no balanço patrimonial do exercício de 2018, além das dívidas do clube.

“A torcida tem que entender que este ano foi de ajuste técnico de balanços. Todo mundo sabe, já foi divulgado na imprensa, que tivemos que aprovar o balanço de 2017 e retificá-lo. Só foi aprovado em outubro. Este é um ano que a gente está ajustando tudo e demonstrando ao torcedor e à opinião pública o que temos de ativos e passivos, obrigações e direitos. Essa diferença de R$ 130 milhões a gente tem que deixar claro que nas nossas contas a receber temos R$ 60 milhões que recebemos em janeiro e fevereiro e pagamos a dívida. Estamos falando em R$ 70 milhões de dívida, e não em R$ 130 (milhões)”,explicou Pena à Itatiaia.

“Fizemos um grande trabalho de redução de back-office: reduzimos o custo de segurança de R$ 450 mil para R$ 150 mil, de telefonia de R$ 60 a 70 mil para R$ 30 mil. Reconhecemos também dívidas que não eram reconhecidas pela gestão passada, de mais de R$ 20 milhões. O resto da dívida é em investimento de atletas”, complementou Pena.

Dívidas da gestão anterior

Ainda na entrevista concedida à Itatiaia, o diretor financeiro da Raposa explicou a solução achada pela atual diretoria para sanar dívidas contraídas da “Era Gilvan”.

“Tivemos que buscar empréstimos para pagar salários atrasados, direitos de imagens atrasados, impostos atrasados, fornecedores atrasados, clubes, etc. Isso gera um custo financeiro grande e compõe a dívida. É bom esclarecer também o que pagamos de dívidas da gestão anterior aqui”, explicou Flávio Pena.

“É importante todo mundo entender que pegamos o Cruzeiro com uma dívida de mais de R$ 400 milhões. Está no balanço uma dívida de R$ 384 milhões, mas temos outra dívida que é, no valor da luva, de R$ 22 milhões referentes a um empréstimo feito junto à Globo. Temos que acrescentar esse valor também. Tenho uma listagem do que a gente teve que pagar. Segundo o Itair, foi R$ 100 milhões, mas nós pagamos mais, R$ 122 milhões. Salários R$ 33 milhões, impostos R$ 15 milhões, bancos R$ 33 milhões, o bloqueio da Minas Arena e mais outro bloqueio que temos aqui de R$ 6 milhões, acordos trabalhistas quase R$ 2 milhões, clubes R$ 5 milhões, intermediações quase R$ 2 milhões e fornecedores R$ 2 milhões. Queremos ressaltar que os salários pagos no início de 2018 foram da gestão anterior. Então o que aconteceu? Essa soma deu R$ 122 milhões para que pudéssemos rodar a engrenagem e dar aos nossos atletas, que são os principais ativos, tranquilidade para ter melhor performance”, finalizou o diretor financeiro.

LEIA MAIS:

APÓS POLÊMICAS NO CLÁSSICO, CRUZEIRENSES QUESTIONAM METODOLOGIA DO VAR