Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Emily Lima fala sobre o nível das equipes no Brasileirão feminino: “Se você coloca quantidade, perde qualidade”

Campeã com as Sereias da Vila em 2018, treinadora diz que o nível técnico das equipes femininas do Campeonato Brasileiro é discrepante e sugere reduzir o número de times para aumentar a competitividade.

Adriano Oliveira
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Facebook oficial Sereias da Vila FC

No comando do time feminino do Santos desde a temporada do ano passado, Emily Lima foi campeã paulista e vice-campeã da Copa Libertadores da América em 2018. E, neste ano, tem como prioridade conquistar o Campeonato Brasileiro. Sua equipe tem 100% de aproveitamento no torneio nacional, com nove pontos obtidos nas três primeiras rodadas.

Otimista e confiante, a treinadora está satisfeita com o desempenho das Sereias da Vila, mas acredita que muita coisa pode melhorar não só no Santos, mas no futebol feminino brasileiro de uma maneira geral. Em entrevista ao site “A Tribuna On-Line”, Emily Lima falou, entre outros assuntos, sobre o nível entre as equipes do Campeonato Brasileiro, da recém-criada categoria de base feminina do Santos e dos principais adversários de seu time.

Ex-técnica da seleção brasileira feminina, Emily disse que não esperava placares tão elásticos no Campeonato Brasileiro. Logo na estreia do torneio nacional, as Sereias da Vila venceram o Fox Cataratas/Athletico-PR por 3 x 0. Em seguida, veio o primeiro clássico, contra o Corinthians, fora de casa, e outra vitória por 2 x 1. Na terceira rodada, o segundo maior placar da competição até o momento: 8 x 0 sobre as meninas do São Francisco(BA). Placar esse que só perde numericamente para a goleada do Flamengo diante do Vitória das Tabocas(PE) por 10 x 0.

Crédito: Facebook oficial Sereias da Vila FC

A treinadora do Santos vê muita disparidade no nível de qualidade entre as equipes e faz um alerta. “Alguma coisa ainda está errada. Acho que seria ideal diminuir o número de participantes na primeira divisão. Que fossem dez times, mas times competitivos“.

À “Tribuna On-Line”, Emily Lima comenta que Flamengo, Ferroviária, Kindermann/Avaí-SC e Corinthians estão no mesmo patamar que as Sereias da Vila, além de citar o Iranduba-AM que, embora tenha caído de rendimento, já incomodou os principais times. Para a treinadora, reduzir o número de clubes na principal competição de futebol feminino do país faria aumentar o nível de competitividade, o que traria, inclusive, benefícios importantes para a seleção brasileira.

Quanto mais alto está o nível das atletas, melhor elas chegam lá. Se você for ver as grandes ligas estrangeiras, elas têm, no máximo, dez times. Se você coloca muita quantidade, perde qualidade“, acrescenta.

A treinadora também diz que as goleadas dão confiança às Sereias da Vila, mas há o que melhorar, especialmente no que diz respeito ao entrosamento. O elenco sofreu reformulação depois de uma análise da comissão técnica e da diretoria. Das 36 jogadoras que estavam no clube desde o início do ano passado, apenas 18 fazem parte do atual elenco. “Fizemos uma análise técnica e tática. Teve também toda a parte administrativa, de contratos. Colocamos tudo na mesa, os prós e contras, e optamos por reduzir e renovar o elenco“, diz.

Emily Lima também comemora a recém-criada categoria de base feminina do Santos, resultado de uma parceria entre o clube e o projeto Meninas em Campo, desenvolvido pela USP (Universidade de São Paulo). Amanda Gutierres, de 17 anos, é a primeira jogadora a ser promovida da base ao time principal das Sereias e a ideia é fazer com que as outras Meninas da Vila, do time sub-17, possam seguir os mesmos passos. “O custo é bem menor. Estamos formando atletas para nós mesmas“, diz a comandante.

Crédito: Facebook oficial Sereias da Vila FC

CAMPEONATO PAULISTA

Em reportagem do site “Gazeta Esportiva”, a técnica santista também se mostra contente com a presença dos quatro clubes grandes do Estado disputando o Campeonato Paulista feminino, já que São Paulo e Palmeiras montaram seus times por exigência da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). Mas lamenta que os clássicos entre eles não estejam garantidos por força do regulamento do torneio.

Acho interessante. Sempre é legal ter os quatro grandes. Só que o formato da competição faz com que a gente possa não nos cruzarmos. A gente faz o clássico com o Corinthians e São Paulo faz com o Palmeiras. Se se classificarem, pode ser que se cruzem (…) Pra mim seria mais interessante o cruzamento logo na primeira fase. Seriam dois cruzamentos de ida e volta em três clássicos“, declarou Emily à “Gazeta Esportiva”.

Segundo informa o site, existe uma campanha para que o clássico entre Palmeiras x São Paulo, pelo Campeonato Paulista feminino, seja disputado como preliminar antes da partida de volta entre os dois times, pelas semifinais do torneio estadual masculino, que acontece no domingo (07), as 16h00, no Allianz Parque.

Será que é a hora para fazer isso? Eu não acho, são duas equipes que estão se formando agora, podem se expor muito. Para mim, por experiência de início de trabalho, acho que é expor demais as duas equipes, que tem um nome pesado no futebol. Então minha opinião é sempre muito crítica, porque eu sempre quero o melhor, porque fazer por fazer de qualquer jeito não interessa“, opina a treinadora do Santos.

LEIA MAIS

Futebol feminino cresce na Europa e têm públicos recordes em jogos de Barcelona e Juventus