Tite nega lista pronta para a Copa América, admite seleção “abaixo” e afirma: “jogamos mal”

A seleção brasileira já tem data e adversário para estrear na Copa América 2019. No dia 14 de junho, encara o time da Bolívia. A partida inaugura o campeonato internacional. O técnico Tite comentou como está o Brasil para o torneio.

Octávio Almeida Jr
Jornalista graduado pela Universidade da Amazônia (UNAMA), 26 anos.Repórter de campo pela Rádio Unama FM em duas finais de Campeonato Paraense (anos 2016 e 2017).

Crédito: Flickr CBF

Em entrevista concedida ao programa Esporte Espetacular, Tite negou que a lista de convocados esteja definida.

“Ela (a lista) aumentou. E aumentou com os amistosos. Eu tenho que entender, como profissional, que tem uma Copa do Mundo lá na frente. E que a preparação e o objetivo final é a Copa do Mundo”, observou.

“Thiago Silva jogou muito a Copa do Mundo? Jogou muito. Miranda jogou muito? Jogou muito. Quem é o titular? Marquinhos. Porque ele tem uma projeção e eu tenho que trabalhar pra daqui a quatro anos”, acrescentou Tite.

A seleção brasileira jogou oito amistosos após a Copa do Mundo de 2018. Venceu sete e empatou uma vez. Apesar do retrospecto, Tite afirma que o time “jogou mal” durante a preparação.

“Sei que nós estivemos abaixo, que nós jogamos mal. Mas requer tempo para que as situações se ajustem. E outra: o aprendizado não é só teórico. Ele é prático”, declarou.

Tite também admitiu que tem dúvidas para escalar a formação inicial. “Eu preciso ver o Coutinho jogar por dentro. Eu preciso ver o David Neres estar por fora. Eu preciso ver o Richarlison”, contou

“Vou te falar o que eu falei pra comissão técnica. Eu digo, vamos acompanhar todos os jogadores, todos os jogos, os treinos, tudo que for possível”, reforçou.

“Na hora de definir, a gente define e olha pra frente, a gente não vai agradar todo mundo. É humano”, finalizou Tite.

Leia também:

Neymar diz que seleção brasileira precisa “melhorar bastante” para a Copa América

Seleção decide treinar nos CT’s de Palmeiras, São Paulo, Grêmio e Atlético-MG durante a Copa América

Hazard elege “vitória contra o Brasil” como o melhor jogo da carreira: “consegui tudo o que estava tentando fazer”