Morata elogia Simeone: “Seria difícil entender o Atlético sem ele”

Nesta segunda-feira (27), o diário espanhol Marca divulgou entrevista realizada com Álvaro Morata, do Atlético de Madrid. Na conversa, o atacante elogiou Simeone, analisou as chegadas e saídas no elenco e comentou sobre as críticas que sofreu da torcida colchonera. Confira.

Felipe Gomes da Costa
Colaborador do Torcedores

Crédito: Divulgação/Facebook Álvaro Morata

Simeone

No bate-papo, Morata comentou sobre  Diego Simeone, técnico do Atlético de Madrid. Para o jogador, o treinador é o grande responsável pela força do clube nos últimos anos.

“Seria difícil entender o Atlético sem Simeone. A mudança do Atlético nesses anos … Simeone é o clube. Passaram por aqui muitos jogadores, mas o Atlético sempre luta desde a chegada de ‘El Cholo’. Seria uma grande perda. Simeone é o Atlético. Ninguém imagina sem ele”, elogiou.

Balanço de sua temporada

Morata também fez um balanço sobre seu desempenho na temporada. O espanhol disse estar feliz no clube e confessou que pretende ficar.

“A verdade é que pessoalmente eu estou muito feliz, além do aspecto esportivo do clube que eu cheguei, de como as pessoas se comportaram … Isso não foi fácil no começo devido às circunstâncias com as quais eu vim para cá. Eu sabia que tinha que falar pouco e trabalhar duro. No nível coletivo, talvez um par de jogos que, se fôssemos melhores, estaríamos falando de outra coisa. A temporada acabou, é hora de pensar na próxima. Estou muito feliz por ter vindo aqui e espero ficar”, disse.

Críticas da torcida

Outro tema abordado por Morata foi a crítica vinda da torcida espanhola. O jogador foi questionado sobre um cântico entoado pelos fanáticos da equipe de Madrid, que dizia “menos Moratas e mais Borja Garcés”. Na resposta, o atacante ressaltou que não se abalou em nenhum momento.

“Eu não hesitei a qualquer momento. Eu tinha me comprometido com o clube, com o presidente, com o treinador … Muitos anos atrás, antes de vir para a Espanha, eu disse a eles que minha cabeça estava no Atlético. Eu ia fazer o que pudesse”, comentou.

Ele ainda afirmou que não perderá o foco na tentativa de melhorar sua imagem.

“Há coisas que não podem ser deletadas e você tem que trabalhar para tentar mudar a opinião das pessoas. Para eles, tem sido complicado, para todos os fãs que sentem o Atlético. Eu só poderia satisfazer as pessoas com trabalho, ajudar a equipe, poderia ter marcado mais metas para as circunstâncias que não dependem de mim. Poderíamos ter ganhado mais jogos … Eu lutei o máximo que pude e continuarei fazendo isso enquanto posso jogar aqui”, garantiu.

Morata analisa a saída de Godín e Juanfran

O atacante espanhol opinou também sobre a saída de Godín e Juanfran, dois ídolos do clube.

“Mais do que a trajetória ou o aspecto esportivo, o Atlético perde dois craques fora do campo, dois líderes. Além de serem lendas do clube, são pessoas muito importantes. Eles me ajudaram muito. Eu gostaria de poder ter jogado mais com eles. Eu experimentei tempos difíceis como em Turim, e é daí que vem o caráter das grandes pessoas, dos campeões. Eles estão em momentos difíceis, como Koke, como Griezmann. Eles saíram para nos encarar e isso mostra tudo o que eles fizeram por este clube”, afirmou.

Liderança de Koke

Após a saída de importantes nomes, Morata comentou sobre o novo líder do elenco: o meia Koke.

Koke nasceu para isso. Foi uma questão de tempo. Se tudo correr bem com as lesões, será o que termina com mais partidas e títulos na história do Atlético. Estou muito feliz porque há dez anos mudei com ele. Eu via seu caráter, como ele reagia e sabia que acabaria sendo o capitão do Atlético”, disse.

Morata comenta sobre a próxima temporada

Já de olho na próxima temporada, Morata disse que o elenco precisa mudar a postura, tanto em campo quanto no vestiário.

“Eu e outros jogadores teremos que dar um passo à frente. Não só no jogo, também no vestiário. Mesmo que seja pouco, pode transmitir às pessoas o que o Atlético é, o que é necessário aqui. Acima de tudo, o que nos fará ganhar, o que eles nos transmitiram. Eu teria gostado de jogar mais com o Godín, com o Juanfran, com o Filipe Luis…”, opinou.

Ele ainda reforçou sua opinião, pedindo mais seriedade aos companheiros.

“O passo é outro, não no campo, mas no vestiário. Se você é importante em um vestiário, você tem responsabilidades. Tem que estar mais envolvido em todos os treinamentos… nunca relaxar. Tem que ser mais sério”, cobrou.

Saída de Griezmann

O atacante analisou também a saída de Griezmann, outro destaque das últimas temporadas do Atlético de Madrid.

“Se você está dentro do vestiário, você vê o que acontece e você sabe que existe essa possibilidade. A única coisa que pode ser feita é respeitá-lo. Foi um dos melhores da história do clube, deu muito para o Atlético”, reconheceu.

“Desejamos a ele tudo de bom, desde que ele não jogue contra o Atleti, é claro”, completou.

Quando questionado sobre a responsabilidade em substituir Griezmann, Morata disse estar preparado.

“É uma responsabilidade. Não só nos gols. Nós atacantes trabalhamos para marcar o maior número de gols”, analisou.

Diego Costa

O espanhol também analisou o brasileiro Diego Costa, outra referência do Atlético de Madrid.

“O vejo muito preparado. Eu confio muito nele. Eu gosto de brincar com ele. Eu sei que vai ser muito importante. Diego Costa é Diego Costa. Você tem que conhecê-lo para entendê-lo”, elogiou.

O jogador ainda completou, reforçando seu respeito pelo companheiro de time.

“Se você conhece Diego, ele é uma ótima pessoa e um jogador espetacular”, disse.

Leia mais: Renan Ribeiro vibra com título do Sporting: “Estes torcedores merecem”

Presidente da Chapecoense confirma acerto com Camilo: “Ele tem muito interesse”