Confira sete fatos importantes sobre a seleção brasileira que disputará a Copa do Mundo de futebol feminino

A Copa do Mundo de futebol feminino, um dos maiores eventos esportivos de 2019, terá início no dia 7 de junho, na França. O Brasil anunciou nesta quinta-feira (16), a lista de convocadas que representarão o país na competição em busca do inédito título. Confira sete fatos importantes sobre a seleção brasileira que disputará o Mundial:

Luis Felipe Pereira
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Lucas Figueiredo/ CBF site oficial

1- Figurinha carimbada em todas as Copas

Apesar de nunca ter vencido a Copa do Mundo de futebol feminino (chegou à final em 2007, porém foi derrotado por 2 a 0), o Brasil carrega a marca de ter disputado todas as edições do torneio, sendo figurinha carimbada desde o primeiro Mundial de seleções realizado em 1991 com 12 participantes na China. Além da seleção brasileira, apenas Alemanha, Japão, Nigéria, Suécia, Noruega e Estados Unidos participaram de todas as Copas do Mundo.

2 – Os recordes da interminável Formiga

Se há uma jogadora que simboliza e representa muito bem a seleção brasileira feminina, este nome é a volante Formiga. A jogadora de 41 anos segue atuando em grande nível e quebrará ao menos dois recordes na Copa do Mundo da França. A “interminável” atleta superará Christie Rampone e se tornará a mais velha a disputar uma edição do torneio. A zagueira americana é a detentora da marca atualmente, tendo entrado em campo na final de 2015 contra o Japão com 40 anos e 11 dias.

Formiga também passará a ser a recordista em números de Copas do Mundo disputadas. A brasileira, que divide o posto com a japonesa Homare Sawa, chegará ao seu sétimo Mundial em 2019, adicionando mais um capítulo a uma história que teve início aos seus 17 anos, na competição de 1995.

3 – A marca histórica de Marta

Seis vezes eleita a melhor jogadora do mundo, a camisa 10 da seleção brasileira é a maior artilheira da história das Copas do Mundo de futebol feminino com 15 gols marcados em quatro edições, e pode ir além neste ano. Marta está a um gol de superar Ronaldo (maior artilheiro do Brasil em Copas também com 15 gols) e igualar Miroslav Klose, que detém o recorde no masculino (16 gols).

4 – Sequência de derrotas

Às vésperas do Mundial, a seleção brasileira feminina vive um dos momentos mais delicados de sua história. O Brasil vem de uma sequência de nove derrotas consecutivas entre amistosos e partidas no Torneio She Believes. Tal fato tem causado duras críticas ao técnico Vadão, que cuja saída e um pedido de muitos torcedores. A última vitória das meninas da seleção ocorreu em julho de 2018, contra o Japão.

5 – O impasse na lateral esquerda

A posição que mais gera dúvidas e ainda não tem uma titular definida na seleção brasileira é a lateral esquerda. Nomes como Andressa Alves, Tamires, Jucinara e Joyce foram testadas no setor, porém nenhuma delas se firmou até o momento. O Brasil tem sofrido diversos gols pelo lado esquerdo de sua defesa e permitido ataques adversários com grande facilidade e frequência nesta região do campo. Vadão terá poucos dias para encontrar uma solução neste sentido antes da Copa do Mundo.

6 –  A lesão de Cristiane

A artilheira Cristiane anunciou que disputará sua última Copa do Mundo em 2019 e corre contra o tempo para estar em plenas condições físicas para o torneio. A centroavante pouco atuou em 2019 por conta das lesões e tem realizado um trabalho intensivo de recuperação muscular com profissionais da seleção brasileira para estar apta já na estreia contra a Jamaica. A jogadora ficou fora do Torneio She Believes e de boa parte dos compromissos do São Paulo na temporada, em virtude de uma contusão na panturrilha.

7 – Necessidade de Renovação

A equipe titular da seleção brasileira que disputará a Copa do Mundo conta com diversas veteranas que caminham para um fechamento de ciclo com a camisa amarela. Diante desta realidade, o Mundial marcará o início de um processo de transição, a primeira experiência para alguns novos talentos que assumirão protagonismo nas próximas Copas. A renovação ainda segue lenta, com poucos nomes da nova geração desempenhando papéis principais no Brasil, porém será um procedimento necessário e que terá o maior torneio da categoria como marco fundamental.

O Brasil está no grupo C da competição, ao lado de Austrália, Itália e Jamaica, está última a adversária na estreia no dia 9 de junho.

LEIA MAIS:

Futebol Feminino: Com Juventus e Arsenal, confira a lista de campeões das principais ligas europeias na temporada