Mídia Esportiva

Sindicato dos Jornalistas do Paraná diz que Petraglia “humilhou e hostilizou” jornalista e repudia atitude do dirigente

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crédito: Reprodução

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR) emitiu uma nota oficial repudiando com veemência a postura de Mario Celso Petraglia, presidente do Conselho Deliberativo do Athletico, contra a jornalista Luana Kaseker, do jornal Gazeta do Povo, durante entrevista coletiva na última segunda-feira (13), quando ele chegou a mandar que a repórter se calasse. 

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

O dirigente humilhou e hostilizou a jornalista Luana Kaseker da Silva Freire, do jornal Gazeta do Povo, durante uma coletiva de imprensa nessa segunda-feira (13), ao mandar a profissional se calar e impedir que ela concluísse uma pergunta. Petraglia também ameaçou não liberar mais a participação do jornal em futuras coletivas do clube”, diz o comunicado.

A falta de respeito com profissionais da imprensa se tornou corriqueira, mas é lamentável e inaceitável. Impedir jornalistas de trabalhar por não gostar das perguntas feitas viola o livre exercício profissional”, acrescenta.

O Sindicato encerrou a nota usando a hashtag #DeixaElaTrabalha, uma campanha lançada no ano passado e que defende, principalmente, a luta contra assédio. “O SindijorPR reitera, mais uma vez, sua postura intransigente em defesa do livre exercício profissional e do respeito ao trabalhador jornalista, que exerce ofício tão caro à sociedade democrática. #DeixaElaTrabalhar #LutaJornalista #Basta”.

VEJA O QUE ACONTECE NA ENTREVISTA:

CONFIRA A NOTA NA ÍNTEGRA:

“O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR) repudia com veemência mais um ataque ao livre exercício profissional proferido pelo presidente do Conselho Deliberativo do Clube Atlético Paranaense, Mario Celso Petraglia.

O dirigente humilhou e hostilizou a jornalista Luana Kaseker da Silva Freire, do jornal Gazeta do Povo, durante uma coletiva de imprensa nessa segunda-feira (13), ao mandar a profissional se calar e impedir que ela concluísse uma pergunta. Petraglia também ameaçou não liberar mais a participação do jornal em futuras coletivas do clube.

Mesmo que a coletiva convocada pelo Atlético fosse sobre a situação de doping de atletas, bastava ao presidente dizer que não responderia à questão quando foi questionado sobre a dívida da Arena da Baixada.

A falta de respeito com profissionais da imprensa se tornou corriqueira, mas é lamentável e inaceitável. Impedir jornalistas de trabalhar por não gostar das perguntas feitas viola o livre exercício profissional.

Casos de violência contra jornalistas vêm crescendo muito no Brasil, especialmente quando existem mulheres trabalhando na cobertura esportiva. O setor está entre os que mais registram situações de intimidação, assédio, machismo e agressão. Não podemos permitir que isso continue acontecendo.

O SindijorPR reitera, mais uma vez, sua postura intransigente em defesa do livre exercício profissional e do respeito ao trabalhador jornalista, que exerce ofício tão caro à sociedade democrática.

#DeixaElaTrabalhar #LutaJornalista #Basta”.

LEIA MAIS:
Bárbara Coelho sofre ataques machistas na web por opinião sobre o trabalho de Jorge Sampaoli no Santos