Um oferecimento de

Título da Copa do Brasil pelo Santo André abriu portas para zagueiro ser campeão da Libertadores e do Mundo no São Paulo

Publicado às

Colaborador do Torcedores

Crédito: O título da Copa do Brasil de 2004 foi a grande conquista do Santo André, e mudou a vida do zagueiro Alex Bruno (no detalhe)

Vencer a Copa do Brasil já é, por si só, um grande título no currículo de qualquer jogador de futebol. Quando uma zebra conquista a taça, a façanha ganha outra dimensão e pode abrir portas ao ponto de mudar o rumo da carreira de um atleta. Foi o que aconteceu com Alex Bruno, zagueiro do Santo André que surpreendeu o Flamengo na final de 2004: no ano seguinte ele estava no São Paulo, erguendo os títulos do Paulistão, da Libertadores e do Mundial de Clubes.

“O título pelo Santo André mudou minha vida”, admite Alex. Em 2002 ele estava no Internacional de Bebedouro, disputando a terceira divisão do Campeonato Paulista. À época, um diretor do Santo André ligou para o Inter de Bebedouro, interessado em contratar um goleiro. Foi Alex quem atendeu o telefonema: “Eu atendi e vendi meu peixe, disse: ‘aqui tem um baita zagueiro, bom de bola, rápido, técnico e sobe bem de cabeça’, e ele disse ‘quero ver esse zagueiro’. O preparador de goleiros indicou o goleiro e eu. Acabou que o goleiro voltou e eu fiquei”.

“PASSO PARA TRÁS”

Mesmo já no time profissional em Bebedouro, no Santo André ele retornou à categoria júnior. O “passo para trás” de Alex Bruno foi recompensado com do título da Copa São Paulo de 2003. No mesmo ano, o Ramalhão subiu da Série C para a segunda divisão do Brasileirão.

Santo André, campeão da Copa São Paulo Júnior em 2003
Alex (no detalhe) já era profissional em Bebedouro, mas aceitou voltar para a categoria júnior em Santo André. Foi recompensado com o título da Copinha em 2004

Em 2004 viria o título que mudaria a vida do zagueiro. Na primeira fase, uma goleada fora de casa por 5×0 contra o Novo Horizonte, de Goiás, garantiu a classificação sem necessidade de disputar a partida de volta. O adversário da segunda fase foi uma equipe de tradição, o Atlético Mineiro. O peso da camisa do Galo não intimidou o Santo André, que venceu a primeira partida por 3×0.

MUDANÇAS NO TIME

Entre o jogo de ida e a volta diante do Atlético-MG, o Santo André perdeu seis atletas: Cléber Gaúcho, Fumagalli, Vander, Alexandre, Cláudio e Edmílson. Para repor as peças, chegaram nomes como Barbieri e Sandro Gaúcho. Mais tarde na competição, o clube também passaria por mudança de comando, Péricles Chamusca assumiu o time após a saída do treinador Luiz Carlos Ferreira. O Galo venceu a partida de volta por 2×0, e o Ramalhão ficou com a vaga para enfrentar o Guarani nas oitavas de final.

Eliminar o Atlético-MG, mesmo com tantos desfalques na segunda partida, fez o grupo acreditar que o Santo André tinha futebol suficiente para ir longe naquela Copa do Brasil. “O time reagiu bem [às mudanças no elenco]. A gente ficou preocupado, saíram seis peças do time. Mas o pessoal que entrou chegou bem, até melhor do que quem estava. Depois do Atlético o time pegou caixa e a gente viu que tinha condições de ser campeão” – admite Alex.

SURPRESA NO MARACANÃ

Depois de eliminar Guarani nas oitavas e o Palmeiras nas quartas, o Santo André fez uma inesperada semifinal contra o XV de Campo Bom, time do interior do Rio Grande do Sul treinado por um até então pouco conhecido Mano Menezes. Superados os gaúchos, o Santo André se classificou para a final diante do Flamengo. A primeira partida, disputada no Parque Antártica, ficou em 2×2.

O Flamengo tinha amplo favoritismo para decidir o título em casa, no Maracanã. Para Alex, isso ajudou a motivar time do ABC: “Ninguém acreditava que seríamos campeões em cima do Flamengo, ainda mais no Maracanã. Mas o primeiro jogo aqui nos deu confiança, e a gente viu que tinha condições de superá-los lá. Quando chegamos ao Rio, passou uma matéria que era despedida do Felipe [ex-lateral e meia], passou o Felipe dizendo que ia embora mas deixaria o título pro Flamengo, que já tinha contratado o show da Ivete Sangalo e tinha até palco pra Ivete Sangalo. Nosso treinador usou aquilo ali para nos motivar e acabou que deu certo”.

Ao Flamengo, um empate sem gols bastaria para ficar com a Copa do Brasil. Mas diante de aproximadamente 72 mil pessoas, o Maracanã foi o palco da grande glória do Ramalhão naquele 30 de junho de 2004. Sandro Gaúcho abriu o placar, marcando seu sexto gol na competição e se firmando como o principal artilheiro do time do ABC naquela conquista. Elvis deu números finais ao jogo e ao campeonato. O Santo André venceu por 2×0 e terminou em primeiro lugar, surpreendendo todos que esperavam um título rubro-negro.

 

Depois de empatar a primeira partida, Santo André venceu o Flamengo e ficou com o título da Copa do Brasil
Santo André cala mais de 70 mil flamenguistas e fatura a Copa do Brasil em 2004 (Site oficial do Santo André)

NOVA FASE

O título marcaria uma nova fase nas carreiras de muitos atletas daquele grupo. “No Santo André foi onde tudo começou, tudo deu muito certo e sou muito grato ao Santo André”, confirma Alex Bruno, que no ano seguinte conquistaria outros troféus, dessa vez com a camisa do São Paulo.

Alex com a taça de Campeão do Mundo pelo São Paulo, em 2005
O trabalho no Santo André chamou a atenção do São Paulo. No Tricolor, Alex foi campeão Paulista, da Libertadores e Mundial

A conquista da Copa do Brasil foi uma vitrine também para outros jogadores. Elvis, autor do gol do título, foi para o Botafogo. O atacante Osmar se transferiu para o Palmeiras. Outros atletas ganharam chances de jogar em clubes na Série A e no exterior. “A maioria foi para time grande”, relembra Alex.

 

LEIA MAIS:

Porto Alegre, BH, São Paulo e Rio: relembre histórias das “Capitais da Copa do Brasil”

As três vezes em que o campeão da Copa do Brasil não atuava na primeira divisão nacional

A maior conquista do Santo André na memória de um torcedor desiludido