Curiosidades do hexa do Liverpool na Champions League

Muito mais do que um título após um vice-campeonato ou um time com a cara de seu treinador. A conquista do Liverpool na Champions 2018-2019 tem outros pormenores interessantes.

Paulo César Desidério Costa
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: (Phil Noble/Reuters)

O Liverpool levantou seu 6º troféu de Champions League ao bater o compatriota Tottenham no Wanda Metropolitano em Madri por 2 a 0. Os gols de Salah e Origi, no começo e no final da partida, selaram a conquista. No entanto, algumas curiosidades vão muito além do ótimo trabalho do técnico alemão Jürgen Klopp e de Alison, Van Dijk, Arnold, Mané e cia. Por trás dos pilares da conquista, há diversas curiosidades. Vejamos:

Primeiro título como profissional de 12 jogadores

Atletas com mais de 25 e até mais de 30 anos conquistaram primeiro título da carreira. (Foto: Divulgação/Liverpool)

Para 12 atletas que integraram o elenco campeão da Champions League 2018-2019, a conquista mais desejada do futebol europeu foi, de cara, a primeira da carreira profissional. O fato não chega a ser distante do normal para jovens atletas recém-promovidos da base do clube como os atacantes Rhian Brewster e Ben Woodburn (ambos com 19 anos), o 3º goleiro Caoimhin Kelleher, o lateral titular Alexander-Arnold (os dois têm 20) e até para o zagueiro/lateral Joe Gomez, que foi contratado junto ao Carlton ainda muito jovem (hoje tem 22 anos).

O que impressiona é ver jogadores com mais experiência e rodagem inclusos nesta lista. É o caso de Keita e Origi (ambos com 24 anos); Robertson (25); Roberto Firmino e Sadio Mané (os dois com 27); e Lallana e Mignolet (ambos de 31 anos). Todos eles ainda não haviam conquistado títulos como atletas profissionais.

 

Milner conquistou primeiro título por clubes diferentes

O experiente e rodado James Milner só havia conquistado títulos com a camisa do Manchester City. (Foto: Divulgação/Liverpool)

O polivalente James Milner, de 33 anos, conquistou o seu primeiro título por um clube que não fosse o Manchester City. Conhecido por ser um transeunte no futebol inglês, o experiente jogador já defendeu seis clubes na terra da rainha. Entretanto, nem por Leeds, Swindon Town, Newscastle, Aston Villa e Liverpool ele havia levantado alguma taça. No City, Milner havia conquistado todos os cinco títulos de sua carreira até então, sendo duas edições da Premier League (2011-2012, 2013-2014), uma Copa da Inglaterra (2010-2011), uma Supercopa da Inglaterra (2012), e uma Copa da Liga Inglesa (2013-2014). Agora, o tabu foi quebrado com o título continental com a camisa dos Reds.

Os bicampeões da Champions

Sturridge e Shaqiri já haviam levantado o troféu por Chelsea e Bayern, respectivamente. (Foto 1: Divulgação/Chelsea; Foto 2: Divulgação/Liverpool; Foto 3: Divulgação/UEFA; Foto 4: Divulgação/Liverpool; Colagem: Paulo Desidério)

Apenas dois atletas do elenco campeão da Champions pelo Liverpool no Wanda Metropolino já haviam tido este gostinho anteriormente. O suíço Xherdan Shaqiri, contratado nesta temporada a pedido de Klopp, já havia derrotado (do banco, é verdade) aquele que viria a ser o seu técnico seis anos depois. O pequenino meio-campista fazia parte do elenco do Bayern de Munique que bateu o Borussia Dortmund por 2 a 1 na final da Champions League da temporada 2012-2013, em Wembley.

Outro a erguer o troféu pela segunda vez na carreira foi o inglês Daniel Sturridge. O atacante era reserva no Chelsea de Didier Drogba e Frank Lampard na dramática decisão do continental da temporada 2011-2012 diante do Bayern de Munique, que foi vencida nos pênaltis pelos Blues após um disputadíssimo 1 a 1 no tempo normal. Com a conquista pelo Liverpool, também na reserva, Danny se tornou o primeiro inglês desde da nova era da Champions (iniciada em 92) a conquistar o título por dois clubes ingleses diferentes.

Clean-sheet na final após nove anos

Alisson em estado de graça com a taça; o goleiro foi o primeiro desde Julio César pela Internazionale em 2010 a ser campeão sem ser vazado na final. (Foto: Divulgação/Liverpool)

Desde o título conquistado pela Inter de Milão ante ao Bayern de Munique na decisão da temporada 2009-2010 vencida também por 2 a 0, o time campeão não erguia a taça sem ser vazado na finalíssima. Com Alisson, o Liverpool repetiu o feito de Julio César naquela temporada. O goleiro da seleção colocou seu nome na história ao se tornar o terceiro arqueiro brasileiro a conquistar o torneio. As chamadas clean-sheets, como são chamadas as partidas em que um time vence sem sofrer gols na Inglaterra, foram especiais para Alisson nesta temporada. Ao todo, foram 27, sendo 6 na Champions League e 21 no campeonato inglês, feito este que lhe concedeu recorde.  Curiosamente, assim como Julio César em 2010, Alisson colheu o feito em Madri. A diferença é que a Inter de José Mourinho se sagrou campeã daquela temporada no Santiago Bernabéu, enquanto o Liverpool de Jürgen Klopp repetiu o feito no Wanda Metropolitano.

LEIA MAIS: 

PRESIDENTE DO LIVERPOOL IRONIZA COUTINHO APÓS TÍTULO DA CHAMPIONS E DIZ QUE BRASILEIRO DEVE ESTAR ARREPENDIDO