Diego Hypólito adverte: “Temos que pensar em benefício do esporte”

Em participação de evento de lançamento da plataforma digital Sigo Esporte em São Paulo, Diego Hypólito explicou os benefícios para os esportistas de modo geral e falou de seu momento e da ginástica perto de competições importantes

Juvenal Dias
Jornalista formado pela Universidade P. Mackenzie/SP desde 2013. Atuo na área esportiva desde 2010, quando ingressei no Diário Lance! Lá permaneci por seis anos e tive oportunidade de fazer parte da cobertura dos Jogos Olímpicos Rio-2016. Desde 2017 sou colaborador do Surto Olímpico. Já fui também do Bola Parada. Estou no Torcedores desde meio de 2018.

Crédito: Instagram/ Diego Hypólito

Na semana passada, foi inaugurado o site Sigo Esporte, uma plataforma que visa aproximar fãs e atletas. Tanto os profissionais de alto rendimento como os amadores e iniciantes podem ser beneficiados, independentemente de repasses estatais ou incentivos de empresas privadas.

A start-up acredita em um sistema no qual comércios de diversos tamanhos e a sociedade possa ajudar com doações e/ou adotando seu sistema de pagamento. Diego Hypólito é o principal garoto propaganda e não mede esforços para divulgar o novo serviço.

Ele acredita que essa iniciativa pode mudar inclusive o patamar do esporte olímpico nacional. Além disso, falou de sua recuperação da nova lesão. Mostrou-se esperançoso para o Pan-Americano, mesmo com a ausência da principal ginasta do país. Confira o que falou o medalhista olímpico:

Torcedores: Você acredita que a plataforma Sigo Esporte pode já dar resultados imediatos?

Hypólito: É preciso que a plataforma entre primeiro na cabeça das pessoas. Tudo o que é novo, demora para as pessoas se acostumarem. Em muitas ocasiões, é preciso ouvir diversas vezes sobre a mesma coisa para ganhar mais importância. A plataforma precisa ser cada vez mais falada para que as pessoas deem credibilidade.

Torcedores: Como que as pessoas que estão começando no esporte podem se beneficiar com a plataforma?

Hypólito: O retorno financeiro é o principal. O benefício é todo para o esporte. Nós, atletas mais conhecidos, servimos de exemplo de necessidades que passamos para que não ocorra com outros. Isso não vai beneficiar apenas o Diego Hypólito, que já conquistou grandes resultados, mas também para que surjam novos “Diegos”. O que me preocupa é que o dinheiro revertido ao esporte é pouco e precisamos procurar outas maneiras para sermos autossustentados. Não dependamos do Governo, para que o atleta seja dono do seu próprio dinheiro e consiga treinar tranquilamente.

Torcedores: Se existisse uma plataforma dessas na época que você começou, poderia ter sido mais fácil?

Hypólito: Com certeza, não só na minha época. Sem uma plataforma como essa, é mais difícil o incentivo à categoria de base. Pode parecer que 500 reais não faz falta para um atleta, mas é muito dinheiro. Paga um tênis para ele ir ao atletismo, por exemplo. Com esse lançamento, será possível ver surgir outros “Diegos”, outras “Daianes”.

Torcedores: Falando de ginástica, como você está fisicamente?

Hypólito: Eu tive uma lesão há cerca de um mês em uma etapa de Copa do Mundo. Tinha começado a treinar mais forte visando o campeonato nacional e classificações, mas machuquei. Volto a treinar dentro de um mês, já que foi uma lesão grave, um edema ósseo. Igual ao que eu tive em 2012. Mas minha ideia é o seguinte: se eu for para a Olimpíada, vou fazer meu melhor. Se eu não for, vou torcer para quem for. Temos que pensar em benefício do esporte, nós temos grandes atletas na seleção brasileira. Eu estou priorizando minha saúde e por isso estou de repouso. Primeiro de tudo, agora, é me recuperar. A partir daí devo fazer um planejamento para ver qual competição vou participar.

Torcedores: Como você está vendo o time brasileiro às vésperas do Pan-Americano?

Hypólito: Aconteceu uma lesão com a Rebeca (Andrade), foi uma pena, ela vai operar o joelho. Era a principal atleta do feminino. Ela tem chance de várias medalhas olímpicas, no geral, no solo, na paralela, no salto… Nunca tivemos uma atleta desse nível no Brasil. É algo que me deixou bastante preocupado. Mas temos outras chances com a Flávia (Saraiva), como a Jade, o Zanetti. Repito, temos grandes atletas. Temos que torcer para uma pronta recuperação da Rebeca. Também para que, a partir dos Jogos Pan-Americanos, a equipe brasileira se classifique para a Olimpíada no Campeonato Mundial deste ano. Assim, teremos grandes chances de medalhas novamente.

Torcedores: Como você projeta a disputa para Tóquio-2020?

Hypólito: Tem que ir passo a passo. A ginástica não para. Temos objetivos claros de conseguir resultados bons, mas não podemos colocar “a carroça na frente dos cavalos”. Primeiro é trabalhar para classificar para a Olimpíada, depois nós pensamos o que serão os Jogos Olímpicos.

LEIA MAIS

Sigo Esporte: plataforma digital é lançada para apoiar atletas