Gabriel Jesus aparece como o 4º melhor centroavante em média de gols na seleção desde Ronaldo

O atacante do Manchester City é reserva de Roberto Firmino na Copa América, mas foi um dos pilares do começo de trabalho do treinador Tite na Seleção Brasileira

Rafael Brayan
Estudante de jornalismo. Colaborador especialista e editor-plantonista do Torcedores.

Crédito: Lucas Figueiredo/CBF

No banco de reservas da Seleção Brasileira nesta Copa América, Gabriel Jesus é o principal goleador da Era Tite da equipe. O centroavante tem a quarta melhor média de gols desde Ronaldo entre os centroavantes, de acordo com estudo do Globoesporte.com.

Com 16 gols, o jogador do Manchester City tem a média de um pouco mais de um gol a cada dois jogos. Gabriel Jesus só é superado por Adriano, Ronaldo Fenômeno e Luis Fabiano, que lidera a lista.

O ex-atacante do São Paulo marcou 28 gols em 43 jogos pela Seleção Brasileira, tendo a média de 0,65 gols por partida. Ronaldo Fenômeno e Adriano Imperador aparecem em segundo e terceiro lugar, respectivamente, e foram os únicos goleadores de no mínimo duas competições pela seleção.

Quem chega e quem sai dos clubes?

 

CONFIRA A LISTA DE CENTROAVANTES COM A MELHOR MÉDIA DE GOLS NA SELEÇÃO BRASILEIRA

JogadorJogosGolsMédia
Luis Fabiano43280,65
Ronaldo Fenômeno105670,64
Adriano52290,56
Gabriel Jesus31160,52
Fred40180,45
Richarlison1250,42
Alexandre Pato2290,41
Ricardo Oliveira1860,33
Roberto Firmino34100,29
2050,25
Jonas1230,25
Leandro Damião1730,18
Fonte: WSC

Gabriel Jesus será opção de Tite contra a Seleção Peruana no próximo sábado (22), na Arena Corinthians, pela última rodada da fase de grupos da Copa América. Cheia de criticas, a equipe brasileira precisará vencer para garantir a classificação e depende da boa fase dos seus atacantes para conseguir reverter a atual situação.

Leia mais:

Thiago Silva diz que vaias contra a seleção são injustas e valoriza defesa do Brasil

Está em dúvida sobre qual curso de faculdade escolher?

Copa América no Brasil tem público maior do que em 2015 e Conmebol comemora “edição histórica”