Férias para uma atleta, o quão importante ela é? Médico da Seleção Brasileira de futebol feminino fala sobre o assunto

Jogo, treino, descanso pós-jogo, férias, etapas de um longo processo de trabalho. Especialista fala sobre

Lucas Calegari
Colaborador do Torcedores

Crédito: Getty Images

O médico da seleção brasileira de futebol feminino, Dr. João Hollanda, ortopedista especialista em cirurgia do joelho e traumatologia esportiva explica por que as férias são tão importantes para uma atleta de alto rendimento.

Todo trabalhador passa o ano sonhando com as suas férias. Momento onde poderá relaxar, sair da sua rotina do dia a dia, curtir mais a família e viajar. Com uma atleta de alto rendimento não é diferente. Embora geralmente ela esteja fazendo algo que gosta muito, necessita de uma pausa temporária.

“Caso ignore esta necessidade, seu rendimento invariavelmente irá piorar e o risco de lesão será maior. Lesões sequenciais, piora inexplicável do rendimento, piora do interesse nos treinos e problemas de relacionamento dentro da equipe são, inclusive, indícios de que a atleta está precisando de férias.” – afirma o médico da seleção brasileira, Dr. João Hollanda.

E completa: “Atletas que competem em provas de resistência não são capazes de manterem o rendimento no máximo por muito tempo. Sendo assim, os treinos devem ser planejados para que este pico seja atingido durante uma competição principal. As férias, naturalmente, devem ser programadas para o período imediatamente posterior a estas competições, para que a atleta possa se recuperar adequadamente sem prejudicar o desempenho esportivo.”

 

Cuidados da atleta

Embora de férias, uma atleta ainda continua com as suas obrigações de desportista. Sabendo que precisa tomar cuidados para manter o mínimo de uma boa forma. Para que possa assim voltar em pouco tempo aos resultados positivos de forma elevada.

O Dr. João Hollanda diz que a primeira semana de férias deve ser algo bem relaxante. Onde não deve haver muita preocupação com a forma física, mas também nada de “chutar o balde”. E ressalta: “Este período, porém, não deve se prolongar: a partir da segunda semana, o corpo passará a sentir cada vez mais os efeitos da inatividade, podendo ser prejudicial para o momento do retorno.”

A partir da segunda semana de férias, recomenda-se que a atleta comece a praticar exercícios diferentes daqueles que ela está acostumada a praticar.

“O objetivo é evitar a perda progressiva do condicionamento físico, ao mesmo tempo em que o corpo ainda se recupera de uma temporada extenuante de treinamentos.” – finaliza o médico da seleção brasileira de futebol feminino, Dr. João Hollanda.

Quanto mais alto o nível de rendimento de uma atleta, mais sobrecarregada fica a sua temporada. Dificultando tempo para as férias e encurtando a pré-temporada. Por isso todo cuidado da atleta nesses períodos é extremamente importante, para que no seu retorno volte em bom nível.

 

Leia mais: Balanço final da Copa do Mundo de Futebol Feminino 2019 em números