Indy: Robert Wickens pilota carro adaptado em Toronto

Será a primeira vez que o canadense, que perdeu os movimentos das pernas após sofrer um acidente durante a Pocono 500 do ano passado, guiará publicamente

Leonardo Marson
Jornalista com passagens pelas revistas Racing e House Mag.

Crédito: IndyCar

Robert Wickens voltará a pilotar um carro após o acidente sofrido na etapa de Pocono da Indy no ano passado, que provocou a perda do movimento das pernas do piloto. O canadense será o responsável por conduzir o Pace Car que guiará os carros da categoria americana no Grande Prêmio de Toronto, prova marcada para este final de semana em um circuito montado nas ruas da cidade localizada no Canadá.

O carro que será conduzido por Wickens será um Acura NSX que recebeu modificações para que o piloto possa guiá-lo com as mãos. A customização foi feita pela empresa Arrow Eletronics, principal patrocinadora da equipe Schmidt Peterson, a mesma pela qual o canadense de 30 anos defendeu no ano passado, sua temporada de estreia na categoria americana.

Assista ao vivo as corridas da Indy de graça por 1 mês. Aproveite o lançamento do DAZN Brasil!

“Tive essa ideia em janeiro e falei com a Arrow. Eles ficaram muito interessados porque é uma demonstração do que eles fazem, usar tecnologia para melhorar a vida das pessoas. E em março eu tive uma reunião com o pessoal da Arrow, da Honda e da Schmidt Peterson e formulamos este plano”, disse Wickens, em entrevista ao site americano Motorsport.com.

“Obviamente eu esperava que tudo estivesse pronto em Toronto, já que é a corrida patrocinada pela Honda e também no meu país, mas eu estou surpreso que tenha sido tão rápido”, seguiu o piloto de 30 anos, que tem mostrado em suas redes sociais a evolução de seu tratamento para voltar a andar, e exaltou poder pilotar um carro adaptado, comparando esta ação a sua recuperação física.

“Até onde eu entendo, os dois processos estão interconectados. Obviamente eu posso sentar e dirigir um carro de corridas com controles manuais. Mas o sonho é recuperar minhas pernas e não precisar de adaptações, e se eu puder voltar a usar as pernas desse modo, isso significará que posso caminhar. Esse é o objetivo final”, completou o piloto canadense.

Foto: IndyCar