Juarez Soares atuou na volta de Interlagos ao calendário da Fórmula 1

Jornalista morto nesta terça-feira trabalhou durante a gestão da prefeita Luiza Erundina para que a principal categoria do esporte a motor mundial retornasse a capital paulista

Leonardo Marson
Jornalista com passagens pelas revistas Racing e House Mag.

Crédito: Beto Issa

Um dos mais importantes jornalistas esportivos do Brasil, Juarez Soares, morto nesta terça-feira (23) aos 78 anos, vítima de uma parada cardíaca, ficou conhecido por sua atuação no futebol, esporte com o qual trabalhou até o fim da vida. Mas poucos conhecem o envolvimento do profissional com o esporte a motor, mais precisamente com o autódromo de Interlagos.

O “China”, como Soares era conhecido, foi filiado por 21 anos ao Partido dos Trabalhadores (PT), sendo eleito vereador em São Paulo (SP) com a sexta maior votação daquele pleito, com 40 mil votos. Posteriormente, o jornalista foi convidado pela prefeita Luiza Erundina a assumir o cargo de secretário de esportes do município.

A atuação de Soares com o esporte a motor começa no momento em que assume a pasta dos esportes. O grande projeto do secretário foi realizar as obras necessárias no Autódromo de Interlagos para que a praça esportiva pudesse receber o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, que àquela época acontecia no Rio de Janeiro.

Após visitas de membros da FIA e da Fórmula 1, o circuito localizado na zona sul paulistana teve seu traçado diminuído de quase oito mil metros para 4.312 metros, e o S do Senna foi construído, em substituição as velozes curva 1 e 2 do traçado antigo. A mais importante categoria do automobilismo mundial retornou a Interlagos em 1990, e por lá segue até os dias atuais.

Juarez Soares se tratava de um câncer, e pediu licença da Rádio Capital, de São Paulo, onde atuava desde janeiro deste ano. O jornalista deixa seis filhos e a esposa, a também jornalista Helena de Grammont.