Palmeiras busca aproximação da Conmebol antes de mata-mata da Libertadores

Presença em eventos da entidade estreitou relação entre Galiotte e Aleandre Domínguez, presidente da Conmebol

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores

Foto: Palmeiras

O Palmeiras tem estreitado suas relações com a Conmebol há dois anos, mas a presença de Maurício Galiotte no sorteio das oitavas de final e o envio de Deyverson e Felipe Melo ao julgamento de suas expulsões, que foi realizado no Paraguai, aproximou ainda mais o clube da entidade.

Segundo o UOL, o Palmeiras considera a relação em a Conmebol como próxima atualmente.

Isso faz parte de um trabalho de jogo interno que é considerado fundamental pelo clube para conseguir reduzir os problemas contra brasileiros nas competições continentais.

O primeiro ato de pressão do Palmeiras com a Conmebol foi em 2017, quando o clube conseguiu a redução da pena de Felipe Melo após a confusão no Uruguai com jogadores do Peñarol. O volante poderia pegar seis jogos de punição, mas pegou apenas três.

Na quinta-feira (11), Galiotte fará parte de uma reunião com os presidentes de todos os outros clubes classificados às oitavas de final da Libertadores, que discutirão na Conmebol o encaminhamento da competição.

O Palmeiras entra em campo pela ida das oitavas no dia 23 de julho, contra o Godoy Cruz, na Argentina. A volta será na semana seguinte, no Allianz Parque.

Leia mais:
Palmeiras: Time de lendas volta a ser pauta no clube; Zé Roberto volta a falar sobre projeto

Palmeiras: Dupla de zaga titular volta contra o Inter e segue em busca de recorde

Corinthians usa pausa da Copa América para reduzir elenco; veja saídas