Quais seleções surpreenderam na Copa do Mundo Feminina de 2019?

Itália, Espanha, Camarões e até a Suécia que eliminou a favorita Alemanha… A Copa do Mundo Feminina apresentou surpresas que enriqueceram a competição deste ano realizada na França

Adriano Oliveira
Colaborador do Torcedores

Crédito: Laurence Griffiths/Getty Images

A seleção da Itália voltou a disputar uma Copa do Mundo Feminina depois de duas décadas. E surpreendeu por chegar às quartas de final terminando a primeira fase da competição na frente de Brasil e Austrália.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

Nas oitavas de final, lideradas por Cristiana Girelli e Bárbara Bonansea, as italianas eliminaram a China, vice-campeã mundial em 1999, vencendo por 2 x 0.

Já contra a forte seleção holandesa, na fase seguinte, sob uma temperatura de 35º em Valenciennes, a Itália até conseguiu fazer um duelo equilibrado, mas não resistiu à superioridade técnica das adversárias e foram eliminadas ao perder por 2 x 0.

A Espanha também mostrou força e surpreendeu nesta edição da Copa do Mundo, ficando em segundo lugar na primeira fase. Nos critérios de desempate do grupo E, as espanholas desbancaram as chinesas, com destaque para Jenni Hermoso, que joga pelo Atlético de Madrid.

Canadá x Camarões, pela Copa do Mundo Feminina de 2019 na França.

Crédito: Elsa/ Getty Images

Surpreendente também o desempenho da seleção de Camarões, que se classificou para as oitavas de final num grupo que também tinha Canadá e Holanda. Foi a primeira vez que uma seleção da África passou pela primeira fase em dois Mundiais consecutivos, já que também tiveram o mesmo desempenho em 2015.

As camaronesas chegaram às oitavas de final derrotando a Nova Zelândia por 2 x 1, com gol de Nchout aos 49 minutos do segundo tempo, a mesma jogadora que desabou em lágrimas dentro de campo na polêmica partida contra a Inglaterra, já no mata-mata que decidia vaga nas quartas de final.

O placar apontava 2 x 0 para as inglesas e, aos dois minutos da etapa complementar, Nchout fez gol após cruzamento. O uso do VAR, porém, anulou por considerar um impedimento no início da jogada, o que revoltou as jogadoras africanas já que, no primeiro tempo, o mesmo VAR validou o segundo gol da Inglaterra após a assistente assinalar impedimento. Depois, as inglesas fizeram o terceiro gol que sacramentou a eliminação da valente e surpreendente seleção de Camarões.

Suécia x Canadá, Copa do Mundo Feminina de 2019.

Crédito: Laurence Griffiths/Getty Images

Outra grande surpresa da Copa do Mundo Feminina foi a vitória, de virada, da Suécia sobre a então favorita Alemanha. As suecas despacharam as alemãs ao vencerem por 2 x 1, resultado que, além de levá-las para as semifinais do torneio, também carimbou o passaporte para as Olimpíadas de Tóquio, no ano que vem.

As escandinavas por pouco não alcançaram as finais pela segunda vez em sua história. Por coincidência, elas disputaram a decisão da Copa do Mundo em 2003 e foram derrotadas justamente pela Alemanha.

Um fato que também causou surpresa nesta Copa foi a presença decisiva em campo de Christen Press, jogadora dos Estados Unidos que estava no banco de reservas e, na partida semifinal, entrou no lugar de Megan Rapinoe, uma das estrelas do Mundial que não foi a campo por dores na coxa. E foi de Press o primeiro gol da vitória por 2 x 1 diante da Inglaterra, que classificou as norte-americanas para a final contra a Holanda.

LEIA MAIS

Como o VAR atuou na Copa do Mundo Feminina de 2019?

Tetracampeã! Estados Unidos vencem a Holanda por 2 x 0 e conquistam mais uma Copa do Mundo de Futebol Feminino

Com final da Copa Feminina, Globo registra aumento de 67% na audiência