Renato Gaúcho tira Everton de entrevistas, pede proposta boa e ressalta: “Chega de se livrar de jogadores brasileiros”

O comandante lamentou o empate para o Bahia no jogo de ida das quartas de final e disse que a joia do Grêmio tem que foca em campo com a camisa do Tricolor Gaúcho

Rafael Brayan
Apaixonado pelo estudo do esporte mais praticado no mundo.
Renato Gaúcho e Everton

Crédito: Lucas Uebel/Grêmio

Após ser destaque da Copa América como artilheiro da competição, Everton retornou aos gramados com a camisa do Grêmio nesta quarta-feira (10). Contra o Bahia, pelas quartas de final da Copa do Brasil, o atacante abriu o placar em cobrança de pênalti que ele mesmo sofreu. Na saída de campo, não descartou poder ser negociado nesta janela de transferências.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

Em entrevista coletiva após o jogo, Renato Gaúcho afirmou que Everton não dará mais entrevistas e focará apenas em campo. “Pedi para tirá-lo do foco, das entrevistas”, disse. “É jogador do Grêmio. Ele tem que jogar. Se preocupará com o que sabe. Se chegar proposta, será com presidente. Ele sairá das entrevistas, mas ficará à disposição para jogar”, completou o treinador.


Leia mais: Grêmio x Bahia: assista aos gols da partida pela Copa do Brasil


Renato Gaúcho também afirmou que o atacante só será negociado por um valor justo. “Chega de se livrar de jogadores brasileiros por qualquer quantia. É justíssimo que o Grêmio valorize. As propostas precisam chegar e agradar ao clube. Quem está falando que o Everton sairá?  Se ele sair, será normalmente, mas não adianta 15 milhões de euros, 20 milhões de euros, 25 milhões de euros. Propostas podem chegar. Cheguem com uma boa, aí o clube pode conversar”, afirmou.

Renato Gaúcho lamenta empate em casa no jogo de ida

“Infelizmente tomamos um gol logo no início (do segundo tempo). Houve uma falha coletiva e tomamos um gol de bola parada. O Bahia cresceu, mas não assustou o Grêmio. Tiveram mais uma chance no fim, quando nos expusemos. O Grêmio esteve no controle, mas não adianta ficar na teoria. Temos mais 90 minutos”, comentou.