Confira como anda o surfe nos Jogos Pan-Americanos de Lima

Robson Santos e Karol Ribeiro, no surfe, e Luiz Diniz, no SUP caíram para a repescagem mas seguem com chances de medalhas nos Jogos Pan-Americanos de Lima

Aline Taveira
Colaborador do Torcedores

Crédito: @Latinwave.cl,Alexandre Loureiro/COB e CBSurf (Gabriel Macedo).

O segundo dia de disputas do surfe nos Jogos Pan-Americanos de Lima não foi favorável ao Time Brasil. Dos quatro atletas que entraram no mar, em Punta Rocas, no Peru, apenas a Nicole Pacelli conseguiu avançar direto para o round 2 no Stand Up Paddle (SUP) Wave. Na mesma categoria, no masculino, Luiz Diniz teve problemas com seu equipamento e ficou em terceiro.

Já no surf, Robson Santos, que fez a melhor média na segunda-feira, não repetiu a boa apresentação e está na repescagem, o mesmo aconteceu com Karol Ribeiro, na feminina.

Apesar de terem perdido, os três seguem com chances de medalha, inclusive a de ouro, porque o sistema é o double elimination e o atleta pode perder uma vez e, mesmo assim, chegar até a final. Na última bateria do dia, Nicole assegurou a única vitória verde e amarela.

Duas vezes campeã mundial, uma pela International Surfing Association (ISA) e outra pelo Stand Up World Tour passou em segundo lugar na última bateria do dia, atrás da peruana Vania Torres. “Estou feliz por avançar, me classificar e agora vamos para a próxima em busca da medalha”, vibrou.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!

Luiz Diniz teve a cordinha (que segura o atleta à prancha) rompida, atrapalhando significativamente seu desempenho, e terminou em terceiro, caindo para a repescagem. A diferença para o mexicano Felipe Rodriguez, segundo na disputa, foi de apenas 4 décimos – 7,9 a 7,5. No final Luiz quase conseguiu a virada. Precisava de 3,63, mas tirou 3,23. “Caí numa onda importante, mas está tranquilo. Nunca foi fácil e nem vai ser”, disse.

A categoria longboard (pranchões) não teve baterias neste segundo dia de disputas. Na estreia, Chloé Calmon, atual líder do ranking mundial da World Surf League (WSL), passou em primeiro lugar com a melhor pontuação entre todas. “Primeira bateria sempre tem um pouco mais de nervosismo, mas consegui achar duas boas ondas e consegui passar em primeiro e estou muito feliz para os próximos rounds”, falou.

No masculino, Wenderson Biludo foi o segundo em sua bateria, atrás do argentino Surfiel Gil, conseguindo lugar no round 2. “Feliz por ter passado. Sempre dá aquele friozinho na barriga na estreia, mas consegui avançar e quero surfar melhor nas próximas”, comentou.

Nesta quarta-feira (31), o Time Brasil, que conta com todo o apoio do Comitê Olímpico do Brasil (COB), em parceria com a Confederação Brasileira de Surf (CBSurf), terá cinco atletas competindo. Robson e Karol serão os primeiros na água, nas repescagens 2, sem poder pensar em derrotas. Depois, voltam ao mar Biludo e Chloé no round 2 da long e, novamente, fechando o dia, Nicole no round 2 do SUP Wave feminino. As disputas seguem até o dia 4, quando também serão realizadas as provas de SUP race, com o Time Brasil tendo Vinnicius Martins e Lena Ribeiro.

Leia mais: Brasil é maioria entre os concorrentes ao título do US Open

WSL define as baterias da primeira fase do Tahiti Pro