EUA perde no basquete e vê fim de 13 anos invicto usando atletas da NBA

Austrália faz história e vence seleção norte-americana, que não perdia desde 2006 utilizando atletas que atuam pela principal liga de basquete do mundo, a NBA

Luiz Mutschele
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: twitter oficial USA basketball

Desde a derrota por 101 a 95 para a Grécia, na semifinal do mundial de basquete de 2006, a seleção dos EUA nunca mais havia sido derrotada, acumulando uma sequência impressionante de 78 vitórias seguidas, que tiveram início naquele mesmo mundial na disputa do terceiro lugar. Dali em diante foram só conquistas utilizando somente atletas da NBA: título da Copa América de 2007, ouro nas Olimpíadas de 2008, 2012 e 2016 e título Mundial de 2010 e 2014.

Apesar do jogo do último sábado (24) ser apenas um amistoso (e jogos amistosos também estavam inclusos na conta de 78 jogos), valeu também para quebrar outro tabu: foi o primeiro triunfo australiano em confrontos entre as duas seleções, pois até então tinham sido 25 vitórias seguidas dos americanos.

O jogo

Depois de sair na frente no primeiro quarto por 26 a 23, a seleção americana viu o time da Austrália se impor no segundo e sair perdendo por apenas um ponto no intervalo, 49-48 EUA. Voltando para a metade final do jogo, a equipe norte-americana seguia com dificuldades de parar os australianos, especialmente Pat Mills e o terceiro quarto acabou 78-76 para a seleção da Oceania. O último período contou com uma atuação impressionante do armador do Spurs, que além de marcar 13 pontos neste quarto, fez os últimos nove de sua equipe e ajudou a garantir o inédito triunfo de sua seleção por 98 a 94.

O grande destaque da equipe australiana foi o armador Pat Mills, atualmente jogando na NBA pelo San Antonio Spurs, que marcou 30 pontos, com seis cestas de três pontos. Vale o destaque também para Andrew Bogut, que marcou 16 pontos e deu nove assistências e Joe Ingles, com 15 pontos e sete asssistências.

Pelo Lado dos EUA, o cestinha foi Kemba Walker, que fez 22 pontos e Harrison Barnes, que contribuiu com outros 20.

Leia mais:

Basquete: seleção dos EUA vai à Austrália antes da Copa do Mundo FIBA