Medalhista de ouro no Pan 2019, Alison dos Santos superou uma queimadura na cabeça com dez meses de idade

Revelação brasileira de 19 anos conquistou a medalha de ouro no Atletismo na prova dos 400m com barreiras no Pan 2019

Junior Azevedo
Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina, fanático por futebol e torcedor do Londrina Esporte Clube

Crédito: Pódio dos 400m com barreiras no Pan 2019. Foto: Divulgação

Uma das maiores revelações do Atletismo brasileiro, Alison dos Santos, de 19 anos, conquistou a medalha de ouro na prova dos 400m com barreiras nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, na tarde da última quarta (8). Atual número 4 do ranking mundial, o atleta é um dos principais nomes do país para as Olimpíadas de Tóquio, em 2020. Porém, poucos sabem da sua história de vida e do que o jovem velocista teve que superar para se tornar uma das grandes promessas do esporte brasileiro.

Natural de São Joaquim da Barra-SP, Alison superou um trauma quando era apenas recém-nascido. O Piu, como é conhecido, sofreu um grave acidente aos dez meses de idade, engatinhando, ele bateu no cabo de uma frigideira e derrubou óleo quente de uma panela. Devido ao acidente, ele ficou cinco meses internado no Hospital do Câncer de Barretos-SP, até se recuperar das queimaduras na cabeça, ombros e braços. As cicatrizes na cabeça ainda são bem evidentes e, nesta quarta (8), o Brasil viu Alison como poucas vezes é visto, sem o boné.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!

O atleta brasileiro ficou com várias marcas do acidente, pela cabeça, na testa, no rosto e no peito. Em consequência, o campeão Pan-Americano costuma treinar sempre com o uso de bonés, para proteger a pele dos raios ultravioletas do sol. Devido as cicatrizes na cabeça, o jovem de 19 anos ficou impedido de presenciar o crescimento do seu cabelo, dando a impressão que é muito mais velho que os demais.

Em grande fase na carreira, o jovem de 19 anos vem de vitórias no GP Brasil de Atletismo, na Universíade (Torneio universitário) e o Campeonato Pan-Americano Sub-20. Recordista sul-americano na categoria com 48s49, o paulista quebrou o seu próprio recorde no Pan de Lima, com o tempo de 48s46, a melhor marca da sua carreira. O tempo é o quarto melhor do mundo no ano, que lhe daria a medalha de prata no último Mundial, disputado em 2017, em Londres.

A sua marca atingida no Jogos Pan-Americanos de Lima, também o colocaria em sétimo lugar na final olímpica do Rio de Janeiro, em 2016. O momento do jovem atleta é tão bom, que ele vem diminuindo o seu tempo a cada competição que disputa, baixando o seu tempo em 1s29 em apenas sete meses. Agora, Alison se prepara para o Mundial do Catar, que será realizado em outubro. Se conquistar um bom resultado, Piu se credenciará de vez como um dos favoritos nas Olimpíadas de Tóquio, em 2020.

Confira a prova dos 400m com barreiras no Pan 2019

LEIA MAIS

Pan 2019: Apresentadora brasileira ex-SporTV e ESPN anima a torcida

Duda Amorim, do handebol feminino, promete raspar cabelos se ganhar medalha em 2020 : “pode anotar”