Presidente do Grêmio volta a reclamar de “privilégio” do Palmeiras: “Nos gera suspeição”

Grêmio tem maratona de jogos contra o Palmeiras nas próximas semanas

Rogério Araujo
Colaborador do Torcedores

Crédito: Lucas Uebel/Grêmio

Romildo Bolzan Jr., presidente do Grêmio, convocou entrevista coletiva nesta terça-feira para voltar a falar sobre o pedido de adiamento do jogo contra o Athletico Paranaense, pelo Brasileirão, para a CBF.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

Segundo o site GloboEsporte.com, a CBF negou o pedido feito para alterar a data da partida, marcada para o dia 24, na Arena do Grêmio, pela 16ª rodada, para o mês de novembro. A entidade ainda não se pronunciou oficialmente, mas o mandatário voltou a falar em privilégio para o Palmeiras.

O motivo da insatisfação do dirigente gremista é porque o jogo entre Palmeiras e Fluminense, inicialmente marcado para o dia 25 de agosto, foi adiado para o dia 10 de setembro por uma incompatibilidade de datas entre as duas equipes, que disputam Libertadores e Sul-Americana, respectivamente. Dessa forma, o Palmeiras terá uma semana livre entre os duelos contra a equipe gremista. O jogo contra o Furacão acontecerá entre os dois confrontos contra a equipe alviverde.

“O Grêmio fez manifestação por escrito quando aconteceu o adiamento da rodada para o Palmeiras. Entendemos que é um privilégio. Que seja estendido para nós. Sugerimos duas datas alternativas. Estamos no aguardo. Eu vi que surgiu uma série de informações dizendo que isso não ia ser aceito. Não recebemos nada oficialmente. No momento que recebermos, vamos nos posicionar. Nos gera suspeição se beneficiar só um clube e temos que trabalhar o assunto, buscando um tratamento igualitário. Essa é a questão”, disse o presidente.

Romildo ainda falou que o clube poderá ir pessoalmente à CBF caso o pedido seja negado oficialmente.

“Vamos fazer o processo de maturidade. Este tipo de colocação para eles ser sensíveis. Temos que ser respeitados e não desequilibrados por conta de uma ação de quem organiza o campeonato. Vou lá (na CBF) com ênfase e força caso se confirme esta negativa”, completou.

LEIA MAIS: