UFC: Rodolfo Vieira fala sobre nova carreira no MMA e admiração por Khabib Nurmagomedov

Em entrevista, o brasileiro Rodolfo Vieira falou sobre a transição entre o jiu-jitsu e o MMA, entre outros assuntos

Diego Lucio Castro de Oliveira
Colaborador do Torcedores

Crédito: Reprodução / Twitter

Rodolfo Vieira estreou no último sábado pelo UFC, e já deixou uma ótima impressão. O brasileiro finalizou Oskar Piechotta no segundo round, durante o evento no Uruguai.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

Estreia no UFC

O astro do jiu-jitsu falou em entrevista, sobre como foi estrear no UFC:

Nervoso eu fico desde a minha estreia. Estou ganhando mais experiência. Sempre entro tenso, com muito medo, mas foi o que escolhi para a minha vida. Mesmo com medo tenho que chegar lá e dar meu melhor. Treino para caramba, me dedico todo dia para me tornar um lutador melhor […] E foi o que aconteceu. Lutei tranquilo contra um cara muito duro, experiente, impus meu jogo e saí com a finalização. É um desafio muito grande pisar no octógono e lutar MMA. Eu sempre tive medo no jiu-jítsu, que é um esporte mais tranquilo, e consegui ter uma ótima carreira mesmo com esse medo todo. O MMA é pior ainda. Todo dia peço a Deus força e coragem para encarar meu medo de frente.”

Admiração por Khabib

Rodolfo falou também sobre o adversário do último sábado, e acabou citando sua admiração por Khabib Nurmagomedov.

O Piechota é um cara difícil, com jiu-jítsu bom, ele tem uma guarda boa, quase me deu um triângulo, tive que me defender. Estou sempre tentando melhorar em tudo, não quero ser o cara só do jiu-jítsu. Tento trabalhar meu ground and pound nos treinos. Não está muito efetivo ainda, mas daqui a pouco estou igual ao Khabib (risos). O Khabib é um cara que gosto muito de ver lutar, o volume que bota de luta é fantástico. Vai levar tempo pra caramba para conseguir alcançar, mas é um cara que mantém um domínio muito grande, é muito forte, muito justo, um cara que gosto pra caramba de ver lutar.

E agora Rodolfo Vieira?

Sobre a próxima luta, o brasileiro despistou, mas citou que gostaria de lutar no Brasil.

Minha meta é lutar onde eles me colocarem para lutar. Agora eu sou funcionário do UFC. Lógico que gostaria de lutar no Brasil, meu país. De preferência no Rio de Janeiro. Mas tenho muitos seminários marcados para agora, de antes de assinar com o UFC. Vou ficar quase dois meses fora, não fazia ideia que ia lutar no UFC, então marquei muitos seminários na Europa e Austrália. Não vai dar tempo de treinar o suficiente para a segunda luta. Este ano vou descansar um pouco, dar os seminários e tentar manter os treinos para a próxima luta. Quando estou com luta marcada, gosto de focar só na minha luta, não gosto de misturar. Gosto de viver dois, três meses só para treinar, comer e descansar para fazer o ‘camp’ para a luta. Começo do ano que vem acho que é mais provável.

LEIA MAIS
UFC: Mike Perry elogia Vicente Luque após derrota e se coloca à disposição para treinos com o brasileiro

Confira todos os resultados e melhores momentos do Summerslam (2019)

Confira todos os resultados e melhores momentos do WWE NXT Takeover: Toronto