Dança das cadeiras: 15 técnicos foram demitidos entre as Séries A e B; saiba quem são

Entre as duas principais divisões do Brasil, Jorginho foi o último técnico a ser demitido, na 18ª rodada da Série B

Cleverton Silva
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: PontePress/ÁlvaroJr

Vida de técnico no Brasil não é nada fácil, e os número comprovam: Entre as Séries A e B do Brasileirão, 15 técnicos foram mandados embora. O Torcedores traz agora uma lista com esses técnicos que foram demitidos até agora nas duas divisões principais do futebol nacional.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

Geninho

Geninho ficou no Avaí cerca de um ano e um mês, tempo em que conquistou o acesso para a elite nacional e o título estadual com o Leão. Durante esse período, o treinado comandou os catarinenses em 32 jogos, com 13 vitórias, 9 empates e 10 derrotas. Na Série A 2019, deixou a equipe na lanterna da competição, sendo demitido na 9ª rodada, após derrota para o Palmeiras no Allianz Paraque, por 2×0.

Marcelo Cabo

Técnico do CSA em dois títulos estaduais (2018 e 2019) e no acesso histórico à primeira divisão, Marcelo Cabo tinha seu trabalho contestado pela má campanha na Série A desse ano. Durante a parada para a Copa América, o CSA enfrentou o Sport, na Ilha do Retiro, e foi derrotado por 3×1, culminando na demissão do treinador do Azulão.

Ney Franco

Contratado no fim de março, Ney Franco disputou 18 jogos no comando da Chapecoense no ano, conquistando apenas 5 vitórias, 4 empates e perdendo 9 partidas. Deixou o título estadual escapar, sendo derrotado na decisão contra o Avaí e teve o pior início de Brasileirão da história da Chape desde o acesso. Ney foi demitido na 11ª rodada da Série A, após a derrota por 4×0 para o São Paulo, no Estádio do Morumbi.

Claudinei Oliveira

Claudinei Oliveira foi contratado pelo Goiás no fim do mês de abril e comandou o Esmeraldino em 12 partidas, vencendo 5, empatando 2 e perdendo outras 5. Não resistiu a uma derrota por 6×1 para o Santos, na Vila Belmiro, e foi demitido na 13ª rodada da Série A.

Fernando Diniz

No Fluminense desde o fim de 2018, preparando a equipe para a temporada atual, Diniz vinha fazendo trabalho controverso, com um futebol bonito, mas sem resultados. Em 2019, dirigiu o Flu em 44 partidas, com 18 vitórias, 15 empates e 11 derrotas. Fernando Diniz foi demitido na 15ª rodada, após derrota dos cariocas para o CSA, por 1×0, no Maracanã.

Givanildo Oliveira

O interminável Givanildo foi demitido com apenas dois jogos no comando do América-MG na Série B do Brasileirão. Foram 2 derrotas, diante de Operário-PR e Botafogo-SP. Foi a quinta passagem do técnico pelo Coelho, ficando no clube desde novembro de 2018, não conseguindo evitar a queda americana da Série A para a B.

Cláudio Tencati

Demitido na 4ª rodada da Série B, Cláudio Tencati deixou o Vitória na 17ª posição, após a derrota dos baianos para o São Bento por 3×1 no Barradão. Tencati havia sido contratado em março, disputando 7 jogos com o Leão da Barra, com 4 derrotas, 2 empates e apenas 1 vitória. Foi o fim da linha para o treinado no Barradão.

Vinícius Eutrópio

Vinícius Eutrópio foi demitido do Guarani, na  8ª rodada da Série B, deixando o Bugre na lanterna da competição com apenas 1 vitória nas 8 partidas disputadas. Eutrópio não resistiu a derrota para o Coritiba por 1×0, no Brinco de Ouro.

Eduardo Baptista

Eduardo Baptista perdeu o emprego no Vila Nova na 9ª rodada da Série B, na derrota para o rival Atlético-GO por 2×0. Com eliminações no Goianão e na Copa do Brasil, além de uma campanha bem ruim até aquele momento, Baptista deixou o Tigre na 16ª posição do certame.

Maurício Barbieri

Mais um técnico demitido pelo América-MG na temporada, Maurício Barbieri ficou pouco mais de dois meses no clube mineiro, com 7 jogos disputados, em que teve 4 derrotas, 2 empates e apenas 1 vitória, deixando o Coelho na vice-lanterna da Série B, após derrota por 4×0 para o Figueirense, na 9ª rodada da competição.

Osmar Loss

Outro que foi demitido pelo Vitória, Osmar Loss deixou a equipe baiana na 14ª rodada da Série B, após derrota por 1×0 para o Brasil de Pelotas. Naquele momento, o Leão estava na 19ª posição na tabela.

Gilson Kleina

Gilson Kleina chegou em março ao Criciúma, para tentar melhorar os resultados do Tigre catarinense, mas não conseguiu cumprir o prometido. No comando do clube carvoeiro em 2019, Kleina disputou 21 partidas, com 9 derrotas, 6 empates e 6 vitórias. Gilson não resisitiu a derrota para o Operário, por 2×1, no Heriberto Hülse, na 14ª rodada, deixando a equipe na 18ª colocação.

Alemão

Alemão era técnico do sub-19 do Londrina, quando assumiu o comando da equipe profissional, a princípio, para o início do Campeonato Paranaense. Após isso, seria auxiliar de Roberto Fonseca, que foi contratado mas logo foi demitido depois da derrota por 4×0 para o Bahia na Copa do Brasil. Com isso, Alemão voltou ao cargo de treinador. Com 15 vitórias, 10 empates e 9 derrotas no ano, Alemão acabou sendo demitido na 17ª rodada da Série B do  Brasileirão, após derrota sofrida para o Botafogo-SP por 2×1.

Roberto Fonseca

Outra vez no ano, o Guarani demitiu seu técnico. Roberto Fonseca não resistiu a péssima campanha do Bugre naquele momento, com a equipe na lanterna da competição, e teve seu contrato rescindido após derrota para o Operário-PR por 1×0 pela 17ª rodada da Série B. Além dele, o então superintendente de futebol e ídolo bugrino Fumagalli também deixou o clube pela péssima campanha.

Jorginho

Jorginho foi demitido da Ponte Preta após empate em 2×2 com o Sport, no Moisés Lucarelli, pela 18ª rodada da Série B do Brasileirão, deixando a equipe com 27 pontos na 8ª colocação. Sua última entrevista como técnico da Macaca foi um tanto infeliz.

“São 119 anos sempre batendo na trave, não é simples. Tem um lado da torcida que te apoia o tempo todo, aí tem meia dúzia de gatos pingados que xinga o tempo todo. Não é simples dentro de um campeonato mudar 119 anos de história”, afirmou o agora ex-treinador pontepretano.

LEIA MAIS