Assim como Sheilla e Fabiana, Thaísa repensa aposentadoria e mira Tóquio-2020

Mais uma bicampeã olímpica pode estar retornando à seleção brasileira. Depois da volta de Sheilla e Fabiana, Thaísa repensa a aposentadoria e foca no clube para buscar a quarta olimpíada da carreira

Andressa Fischer
Gaúcha, 21 anos. Vôlei | Futebol Gaúcho | Flamengo

Foto: Orlando Bento/MTC

Thaísa disputou a última Superliga pelo Barueri, e foi eleita a segunda melhor central da competição. A bicampeã olímpica foi um dos principais nomes da equipe paulista nos playoffs, quando o time de José Roberto Guimarães caiu nas quartas de final para o vizinho Osasco-Audax, e após o fim da temporada, anunciou que não jogaria mais pela seleção e focaria no clube.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique aqui e se inscreva!

No entanto o retorno de outras veteranas à seleção, como Sheilla, Fabiana e Camila Brait, fez a nova jogadora do Minas repensar a decisão de quatro meses atrás, para voltar a pensar em defender a amarelinha, e quem sabe estar na próxima olimpíada, e que seria a sua quarta, e consecutiva.

“Se disser que não penso, estaria mentindo. Penso sim. Mas acredito que o caminho até lá é focar no clube, treinar muito, fazer uma excelente temporada, me cuidar ao máximo. Aí sim, dá para merecer estar de volta e poderei pensar em um retorno. Mas, até lá, tem um longo caminho pela frente”, declarou.

Thaísa destaca ansiedade por estreia no Minas

Após quase 10 temporadas consecutivas jogando no voleibol paulista – sem contar a breve passagem pelo Eczacibasi, da Turquia – a central elogiou a facilidade de morar na capital mineira, ainda mais morando perto de onde fica o clube. E ainda destacou a ansiedade para voltar a disputar uma partida oficial, que não joga há quatro meses.

“Estou super ansiosa para estrear. Já estou há meses sem jogar e agora começou a dar saudades. Ainda tem um tempinho para treinar e começar pra valer os campeonatos por aqui”. Aqui (Belo Horizonte) é uma delícia, moro ao lado do clube, não uso carro para quase nada. Em São Paulo praticamente tudo eu tinha que ir de carro, inclusive para os treinos. Essa tranquilidade não tem preço”, completou.

LEIA MAIS

Luizomar revela que o Osasco recebeu convite para o Mundial mas recusou por falta de aporte financeiro