Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Confira o resumo da entrevista coletiva do Flamengo após o título do CBLoL

brTT aliviado e perguntas sobre o fim do projeto marcaram a coletiva de imprensa do Flamengo, campeão do CBLoL 2019 neste sábado (7), no Rio de Janeiro.

Fabrício Carvalho
Jornalista formado / Rio de Janeiro. Redator de notícias, artigos e relatos sobre futebol nacional e internacional, basquete e esportes americanos.

O Flamengo eSports consagrou-se campeão do CBLoL 2019 ao vencer a INTZ E-Sports pelo placar de 3-2, neste sábado (7).

Realizada na Jeunesse Arena, zona oeste do Rio de Janeiro, a decisão contou com confrontos muito equilibrados entre as duas equipes, momentos de tensão, alternâncias de domínio e muito barulho dos mais de 8 mil presentes.

Confira abaixo dos principais momentos da coletiva de imprensa do Flamengo, realizada logo após a conquista inédita do clube rubro-negro.

 

brTT, sobre a pressão pelo título:

“A vitória representa muito por conta do meu avô, pois assistíamos todos os jogos do Flamengo juntos. A vitória estava engasgada há um tempo. Três finais participado e estava afetando muito meu psicológico não vencer. Eu chegava nas finais, liderava muito a equipe, jogava bem nos playoffs mas estava indo mal nas finais. Eu estava me questionando bastante sobre o que estava acontecendo e eu descobri graças a ajuda da minha mulher, a uma psicologa (Alessandra) e eu percebi a que eu não era mais o brTT que trazia títulos e resolvia nas finais, mas tenho certeza que esse brTT está de volta. Tirou cargada das minhas costas.”

 

brTT, sobre coreanos na equipe:

“O principal fator e a questão da comunicação. É difícil ter comunicação fluída com dois coreanos no time. As vezes dá uma complicada, mas com todo o treinamento e ajuda da comissão técnica, ajudamos a comunicação entre os coreanos e brasileiros. A cultura deles é diferente então as vezes o time não está na mesma página, mas chegamos com uma sintonia muito boa para essa final.”

 

brTT, sobre o psicológico:

“Acabou a palhaçada do cheirinho. Porém, mais do que acabar o projeto, estava muito preocupado com o brTT em si. Tenho 28 anos, o mais velho do cenário e não estava conseguindo ser o mesmo brTT que sempre fui nas finais e estava preocupado em como eu reagiria. Se eu não estou bem, a maioria do meu time não vai estar bem. Estava muito preocupado.”

 

Von, técnico do Flamengo, sobre o play-in do mundial:

“A principal diferença é o nível de execução dos times, pois esses serão aqueles que ganharam suas regiões. Não poderemos errar como fizemos e a execução será mais certeira. eles não vão jogar com apenas uma rotação e teremos que aprender muito ainda.”

 

Goku, sobre concentração na Barra da Tijuca:

“Ajudou a gente muito a gente, No flamengo trabalhamos no estilo game-off então nos se encontrávamos em media a cada 8 dias. Ficamos mais próximos quando vimos ao rio de janeiro e passávamos mais tempo juntos. isso numa final influencia muito.”

 

Shrimp sobre tabu no CBLoL com coreanos sendo campeões:

“Perdi duas vezes.dessa vez fui para coreia refletir sobre mim mesmo e o que precisava mudar.”

 

brTT, sobre primeiro penta do CBLoL e duas vezes no mundial:

“Sinceramente, não era uma das coisas que estava passando na minha cabeça porque acho que minhas metas é colocar o Brasil sendo visto mundialmente como uma região boa. Temos totais condições disso. Não serei jogador que irá pegar experiência no mundial.”

Robo, sobre mudança de estilo do jogo:

“Com certeza o Flamengo deixou se ser previsível. Treinamos bastante carry durante o split, estava muito confiante e hoje eu passei confiança para a minha equipe me recuperando no segundo jogo. A bot lane deles só farmava e então resolvemos jogar muito no topo. Quanto ao mundial, vamos treinar muito para ter o melhor desempenho da história.”

 

Von, sobre chegar mais cedo na Europa em preparação para o mundial:

“Acho que todo time que representar o brasil internacionalmente vai buscar a melhor forma. vamos conversar sobre como melhorar de forma mais efetiva”

 

brTT sobre a pressão pela derrota e análise da INTZ:

“Passou em nenhum momento a derrota pela minha cabeça porque afetaria muito no nosso jogo, até porque confio absurdamente nos jogadores do meu time. Tínhamos lido a equipe deles muito bem. sabíamos que um jogo mais leto e mais tranquilo sem comentar muitos erros porque a INTZ espera o adversário cometer erros . Quando o Robo começou a entrar muito mais confiante, isso foi diferencial muito grande porque vimos que eles (INTZ) não sabem jogar quando Tay está muito atras.”

 

brTT sobre ser o melhor jogador do Brasil:

“Sou o melhor AD Carry. Não acho que no Brasil tenha o melhor jogador, ao contrário de outras regiões, como na Europa, tem o Caps por exemplo.”

 

Sensação em fazer parte do grupo que trouxe o esporte eletrônico do Flamengo e se os jogadores sentemmedo sobre o fim do projeto:

Goku “honra representar o Flamengo no League of Legends. Estamos felizes com o título que acabamos de ganhar, todos merecem muito isso. A melhor experiência da minha vida. Não pensamos muito sobre o fim do projeto, focamos apenas na final.”

brTT “Não é algo que passa muito na nossa cabeça porque não depende da gente. O máximo que jogadores e comissão podem fazer é dar o máximo. Estamos aqui porque amamos competir e vencer. O máximo que podemos fazer é treinar muito e se o projeto vai continuar é outra história.”

Von: “Chegamos a ver a notícia mas não conversamos sobre isso. Não ganhamos hoje para manter o projeto e sim para ser campeão.”