Conheça “La pulga” Rodríguez, carrasco do Galo na Copa Sul-Americana

Algoz do galo trabalhou como servente de pedreiro, dormiu em estação de trem e disputou campeonatos de rua até conseguir vingar no futebol

Wesley Alencar
Jornalista."Foi difícil chegar onde cheguei, mas ainda não cheguei a lugar nenhum" - Lucas Silva, Flamengo

Crédito: Foto: reprodução/instagram.com/colonoficial/

Luis Rodríguez converteu seu pênalti na disputa contra o Atlético-MG e deixou o Colón perto da primeira final continental da história do clube argentino em 114 anos de existência. “La pulga”, como é conhecido por causa da baixa estatura, viu Burián defender a penalidade de Cazares e colocar Los Sebaleros na final, sendo recompensado pelas duras semanas que atravessou até à noite da última quinta-feira (26).

Poucos dias antes da primeira partida entre os clubes em Santa Fé, na Argentina, Luis estava no funeral de seu pai, “Pacholo”. “Meu pai comprou para mim umas chuteiras numa feira e elas custaram 30 pesos (cerca de R$ 2,00), que eu nunca usei, sempre joguei com chinelos quando havia ou com os pés descalços mesmo. O sacrifício que ele fez para me dar aquilo foi impressionante”, recorda o veterano meia de 34 anos.

Quando jovem, La pulga trabalhou como pedreiro, pintor ou que surgisse fazendo com que ajudasse a seus pais e seus nove irmãos a fugir da pobreza. Aos 14 anos, foi atuar pelo Real Madrid, nas divisões de base do clube merengue e disputou a Copa do Mundo da categoria, sendo reconhecido como melhor jogador do mundial.

Depois de sair do Real Madrid e ter quebrado um acordo com a Inter de Milão, Luis ouviu de um agente que o levaria para o Craiova, clube romeno, por US$ 500 por mês, contudo o agente acabou desaparecendo, abandonando Luis, que se encontrava sem dinheiro, nem moradia, deitado numa estação de trem e não entendo o idioma do local.

Quando conseguiu voltar à Argentina, trabalhou como servente de pedreiro para uma empresa e fazia bicos em uma usina e jogava em torneios de rua para ganhar dinheiro. Retomou o futebol profissionalmente atuando por clubes menores, até conseguir jogar pelo Racing de Córdoba, Newell’s Old Boys e no Atlético Tucumán até chegar, enfim, ao Colón já em 2019.

Nesta Copa Sul-Americana, La Pulga Rodríguez já disputou 9 partidas, tendo marcado quatro gols e dado quatro assistências para seus companheiros. “Estou muito feliz porque vencemos. Eu estava em um momento muito complicado da minha vida. Decidi jogar essa partida porque marcou a história do clube e eu queria estar presente. Foram dias muitos desconfortáveis, pois no domingo perdi meu pai, mas graças a Deus, lá de cima, o ‘velho’ nós ajudou a vencer essa partida. Ele certamente nos acompanhará até o fim” disse o camisa 10 ao final do jogo de ida.

Após a classificação no pênaltis em pleno Mineirão, o Colón enfrentará o Independiente Del Vale na grande decisão da Sul-Americana, dia 9/11 em Assunção, no Paraguai.

LEIA MAIS: 

Atlético-MG: Santana projeta recuperação no Brasileiro e faz promessa