Diniz valoriza estreia com empate e discorda de Jesus: “Opinião é isso, cada um tem a sua”

Treinador recém-chegado ao São Paulo falou sobre o seu primeiro jogo no comando da equipe

Rafael Brayan
Estudante de jornalismo. Colaborador especialista e editor-plantonista do Torcedores.

Crédito: Divulgação/São Paulo

O São Paulo empatou com o líder do Brasileirão Flamengo neste sábado (28), no estádio do Maracanã, em jogo que marcou a estreia do treinador Fernando Diniz. Com apenas um treino com os novos jogadores, o comandante valorizou o primeiro jogo na equipe.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

Após a partida, o treinador do Flamengo, Jorge Jesus, afirmou que o São Paulo não quis jogar. O português ainda criticou o excesso de faltas cometidas pelo Tricolor Paulista. Do outro lado, Fernando Diniz discordou do companheiro e ressaltou a boa partida da sua equipe.

“Eu não concordo. Pelos números eu acho que o Flamengo só fez cinco faltas a menos. Teve um pisão do Gabigol que o árbitro poderia ter chamado e expulsado, como já expulsaram outras vezes. Opinião é isso, cada um tem a sua. Foi um jogo muito inteligente do São Paulo”, comentou Fernando Diniz.

“Acho que nas chances que tivemos podíamos ter ganhado o jogo, assim como poderíamos ter perdido. No jogo o Flamengo teve mais volume, mas em chance real não foi tão diferente. Também tivemos as nossas chances. Talvez quando tivermos a chance, termos sido mais felizes na conclusão”, completou o treinador do São Paulo.

VEJA OUTROS TRECHOS DA ENTREVISTA DE DINIZ NO SÃO PAULO

Elogios a Alexandre Pato:

Para mim é super tranquilo ter jogadores de qualidade, ainda mais a dele. Vou falar o que falei para os jogadores, o Pato era para ter disputado duas Copas e estar indo para a terceira pelo imenso talento que tem. Onde ele entra não é o mais importante, mas sim ele ter condições e voltar para termos um jogador de qualidade jogando.

Sobre áudio vazado de Mancini:

Mancini é um grande amigo, muito amigo mesmo, tenho um carinho especial. Falando dos jogadores, ter essa satisfação é um reconhecimento de um trabalho de dez anos. Minha vida é de dedicação para oferecer o melhor aos jogadores, para tirar o melhor deles. A transformação do futebol aqui no Brasil parte dos jogadores. A gente conseguir oferecer boas condições em todos os sentidos para que eles consigam prosperar. Vai desenvolvendo o trabalho, circulando de boca em boca, ao ponto de ter esse tipo de apelo e de vontade dos jogadores de quererem trabalhar comigo. Um grande prêmio, um grande troféu para mim.

A gente trocou mensagens, está tudo bem comigo e o Mancini. Somos muitos parceiros mesmo. Eu não tive absolutamente nada. Fiquei sabendo só a noite da possibilidade de vir ao São Paulo, foi um grande presente para mim trabalhar em um dos maiores times do mundo.

Importância de semana livre para treinamentos:

Já vamos colocar nessa semana, que são uns três treinos. Na segunda os jogadores se recuperam e na véspera não podemos fazer quase nada. O plano é já dar uma cara daquilo que pretendemos no time. Treinar algumas coisas no meu padrão de posse. Fizemos um pouquinho hoje, um simulacro do que queremos daqui para frente. Essa semana é ir colocando as ideias aos poucos.

LEIA MAIS:

São Paulo: 4 jogadores que devem ganhar espaço com Fernando Diniz

Notícias do São Paulo: veja o que rolou neste sábado (28)