Jobson é criticado por presidente de clube do Rio de Janeiro

O polêmico atacante recebeu duras críticas em entrevista publicada no Lance!

João Pedro Prado Restani
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação/Capital CF

O presidente do Atlético Carioca, Maicon Vilela, concedeu entrevista ao Lance! e contou sobre um possível contrato não cumprido. Segundo o dirigente, Jobson teria fechado um contrato para receber 3 mil reais por partida, mas seus empresários resolveram desfazer o vínculo após saberem que o clube disputava a quarta divisão estadual. O clube porém, chegou a pagar metade do valor do jogador e, mesmo com a quebra do contrato o dinheiro não foi devolvido.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!

O Lance!, para esclarecer a história convidou Maicon Vilela e a RCF Sports, empresa que agencia o jogador. O dirigente afirmou que processará o atleta e a empresa.

“Sim, terá processo! Contra o Jobson e contra a empresa RCF. O que fizeram não foi só prejuízo financeiro que chega a mais de 60 mil. Perdemos patrocinadores. Viramos chacota na internet. Eles só agenciam o Jobson quando ele está mídia, quando ele está fora nem ligam pra ele. Como a gente fez um barulho, gostam de aparecer. Não tenho nada para falar sobre essa empresa… Quem conhece a fundo, sabe!”, disse Maicon.

O presidente do clube carioca disse que se sentiu humilhado e não aceitaria o jogador nem de graça. “O Jobson é tão inconsequente que ele posta status no Whatsapp e não está nem aí para vida dele. O Jobson é um caso perdido. Não responde, não pede desculpas, não devolve o dinheiro. Nunca! Nem de graça eu aceitaria ele, fomos humilhados com tudo isso”.

Maicon Vilela é também dono de uma rádio em São Gonçalo, de lá consegue tirar uma renda para ajudar o clube, mas não é suficiente. “A parte financeira realmente não tenho a mínima ideia do que fazer, só um milagre, alguma empresa hoje decidi apoiar nosso projeto. Eu acabei de fazer um pagamento de material esportivo no valor de 22 mil reais, saiu do meu bolso, se o Jobson tivesse sido homem não precisaria sair do meu bolso. Em questão de torcida, eles sabem do nosso foco a culpa não é minha, se fui ingênuo eu não sei, mas posso colocar minha cabeça no travesseiro e dormir em paz porque sei que dei o meu melhor. Mas realmente vai chegar um momento da competição que não terei como tirar dinheiro da minha empresa para colocar no clube”, contou.

O clube vem realizando peneiras na Zona Norte do Rio de Janeiro para encontrar um substituto para o atacante, mas que de preferência, cause menos problemas.

LEIA MAIS:

Conheça Beto Gonçalves, o paraense que faz sucesso na Indonésia