Análise: jogamos o novo Battletoads, clássico beat’em up dos anos 90 na BGS 2019

Jogo que ficou muito famoso nos consoles de 8 e 16 bits, Battletoads recebe uma versão atualizada para Xbox One e PC e pudemos ver como ficou

Luiz Mutschele
Colaborador do Torcedores

Crédito: reprodução youtube oficial xbox

Depois do cinema, muitos jogos também entraram na onda de resgatar franquias clássicas e um dos grandes games dos anos 90 certamente não poderia ficar de fora. Desenvolvido por uma parceria entre DLALA e Rare para o console da Microsoft e para PC, Battletoads é uma aposta bem interessante. Contando com o clássico estilo beat’em up em 2D o jogo teve seu visual feito de forma mais cartunesca, mas buscando mantê-lo o mais fiel possível ao clássico. Testamos a demo dele para o Xbox One.

Análise do jogo:

Os protagonistas originais de Battletoads Rash, Zitz e Pimple estão de volta e podem ser usados todos juntos em modo cooperativo de três pessoas, que foi a forma como jogamos.

Uma das marcas da franquia sempre foram seus jogos extremamente difíceis e onde você apanha bastante se não prestar atenção nos inimigos. Jogando em três, a ação na tela é bastante frenética e parecendo até um pouco confusa inicialmente, especialmente para quem não tinha o hábito de jogar ou mesmo para a nova geração que mal conhece este estilo de jogo.

Manter o formato de batalha 2D é um ponto a favor por manter a essência da franquia e como no jogo clássico, cada um dos três tem variações nas habilidades, seja maior agilidade, força ou balanceado. Outra marca de Battletoads, as pernas e braços crescidos dos sapos espaciais também marcam presença, mas agora com acréscimos, como Rash, que vira uma espécie de tubarão em um dos golpes.

Após derrotarmos o chefe da demo, somos transportados para a fase das motos espaciais, que agora não é mais com visão lateral, mas de trás e igualmente difícil, exigindo muito reflexo e habilidade para passar pelos obstáculos.

Apesar de a sequência de fases do jogo não ser essa como o próprio game alerta, pudemos testar o modo corrida um pouco antes da demo se encerrar.

Conclusão:

Apesar de termos alguns fãs mais radicais que não gostaram do visual cartunesco do jogo, ele ficou com uma aparência bem interessante. A jogabilidade não faz feio as tradições do game, exigindo a habilidade de saber a hora certa de bater. Além disso a opção de multiplayer offline, faz de Battletoads uma boa alternativa para jogar com os amigos em tempo onde temos poucos jogos da nova geração que oferecem essa possibilidade.

Pelo que se propõe, o mais novo jogo da franquia atende bem as expectativas e fica sendo uma boa opção para quem quer matar a saudade de um clássico e também para quem quer uma alternativa aos jogos de mundo aberto e online.

Nota final: 9,0

Para quem quiser ter a oportunidade de testar o jogo, ele estará disponível na BGS 2019, no estande da Xbox.

Leia mais:

Análise: primeiras impressões do Project Resistance que testamos na BGS 2019

Análise: Testamos o novo Dragon Ball Z Kakarot na BGS 2019